Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Arábia Saudita proíbe o Pokémon Go

Pokémon "promove o pecado e as mutações das criaturas no jogo são uma blasfêmia"

Por Da redação - 20 jul 2016, 14h54

Alá, de acordo com os sauditas, não gostou do jogo Pokémon Go. O país, ultraconservador e regido sob rigorosas leis islâmicas, reeditou uma fatwa (decreto islâmico) de 2001 — que proíbe a franquia Pokémon. De acordo com as autoridades religiosas islâmicas árabes, o Pokémon “promove o pecado e as mutações das criaturas no jogo são uma blasfêmia”, no sentido em que promove a teoria da evolução. O primeiro decreto foi criado há 15 anos contra o jogo de cartas. Segundo a fatwa, os símbolos usados no game da Nintendo promovem a maçonaria, xintoísmo e o cristianismo.

(Com ANSA)

Publicidade