Clique e assine a partir de 8,90/mês

Salgueiro homenageia o Rio através do cinema

Na esteira da Copa de 2014 e dos Jogos de 2016, Portela e São Clemente também têm enredos ligados à cidade

Por Rafael Lemos - 12 out 2010, 13h30

King Kong troca o Empire State Building pelo relógio da Central do Brasil e o Homem Aranha (que beija a Mulher Aranha) vive na cidade

O Salgueiro anunciou, na madrugada desta terça-feira, o samba-enredo que levará para a avenida no Carnaval 2011. O compositores Dudu Botelho e Luiz Pião, autores dos sambas de 2007 e 2008, venceram pela terceira vez, agora acompanhados por Anderson Benson e Miudinho. A obra vai embalar o desfile “Salgueiro apresenta: o Rio no Cinema”, dos carnavalescos Renato Lage e Márcia Lage. Esta é a segunda vez que o Salgueiro homenageia o Rio. Em 2008, a escola foi vice-campeã com o enredo “O Rio de Janeiro continua sendo…”. Agora, com a visibilidade que o Rio tem atraído com a proximidade das Olimpíadas de 2016, são três as escolas que apostam na cidade como gancho de seus temas no carnaval do ano que vem. A Portela levará à Sapucaí “Rio, Azul da Cor do Mar” e a São Clemente, “O Seu, o Meu, o Nosso Rio, Abençoado por Deus e Bonito por Natureza!.”

O Rio de Janeiro será o cenário da história que o Salgueiro vai contar no desfile de 2011
O Rio de Janeiro será o cenário da história que o Salgueiro vai contar no desfile de 2011 VEJA

O samba vencedor conta a história da busca ao tesouro da “Atlântida carioca”, da qual participam celebridades do cinema nacional, como Carmem Miranda, personalidades históricas que deram título a filmes, como Carlota Joaquina e personagens do cinema internacional. King Kong troca o Empire State Building pelo relógio da Central do Brasil e o Homem Aranha (que beija a Mulher Aranha) vive na cidade. A presidente da agremiação, Regina Celi, revelou os votos de todos os que participam da escolha do samba (são 13 votos no total). Assim, foi possível saber que, apesar de ser o grande favorito, o samba de Dudu Botelho e companhia não foi unanimidade. A parceria recebeu nove dos 13 votos da comissão julgadora. “É uma forma democrática. Todos têm voz na escola. Também é uma forma de deixarmos claro que nossa disputa é transparente”, justificou a dirigente, que, imbuída de um ‘espírito democrático’, aproveitou para pedir votos para a candidata do PT à presidência da República, Dilma Rousseff.

Criado na Tijuca, o compositor Dudu Botelho nunca morou no Morro do Salgueiro, mas foi lá que aprendeu a gostar de samba. “Estudava em escola pública e tinha muitos amigos do morro. Joguei muita bola por lá, e lembro das rodas de partido alto. Foi assim que o samba entrou na minha vida”, conta, acrescentando o orgulho de ter como parceiro Miudinho, o primeiro compositor do morro a emplacar um samba na escola depois de um longo jejum. “Tem 20 anos que um samba do Salgueiro não tem um compositor do morro. É uma alegria muito grande poder homenagear o pessoal que me fez sambista”.

A festa desta segunda-feira, na quadra, também contou com a presença da rainha de bateria Viviane Araújo, que teve papel de destaque. Ela foi uma das atrações, recriando uma cena do filme “King Kong”, ao lado de um homem fantasiado de gorila.

Veja abaixo a letra do samba:

Salgueiro apresenta: O Rio no cinema

Já não há mais lugar pra nos ver na passarela

Cada um é um astro que entra em cena

No maior espetáculo da tela

A Cinelândia reencontrar

A luz se apaga acende a vida

Projeta sonhos na avenida

A “Terra em transe” mostrou visão singular

E o tesouro de Atlântida

Foi abraçado pelo mar

Onde está? Diz aí

Carlota Joaquina veio descobrir

Na busca o Bonde da Lapa Madame Satã

Continua após a publicidade

Pequena Notável requebra até de manhã

Em um simples instante

Orfeu vence as dores em som dissonante

E as cordas do seu violão

Silenciam para o amanhecer

Brilha o sol de um dia de verão

Salta aos olhos outra dimensão

Revoada risca o céu e faz

Amigos alados canto de paz

Maneiro deu a louca em Copacabana

Vi beijo do homem na mulher aranha

E o “King-kong” no relógio da Central

Meu Salgueiro o “Oscar” sempre é da Academia

Põe o “bip- bop” na Furiosa Bateria

Aqui tudo acaba em carnaval

O cenário é perfeito

De braços abertos sobre a Guanabara

O filme mostrou maravilhosa chanchada

Sob a direção do Redentor

Continua após a publicidade
Publicidade