Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

‘Terrorismo’, diz secretário de segurança sobre ataques no RN

Em coletiva de imprensa, Ronaldo Lundgren disse que a facção responsável pelos 65 ataques nos últimos três dias é uma "entidade em formação"

Por Da redação Atualizado em 1 ago 2016, 18h53 - Publicado em 1 ago 2016, 18h43

O secretário da Segurança Pública e Defesa Social do Rio Grande do Norte, Ronaldo Lundgren, classificou nesta segunda-feira como “terrorismo” a onda de violência que afeta o Estado nos últimos três dias. Desde a sexta-feira passada, bandidos realizaram 65 ataques em 21 cidades potiguares, sobretudo na região metropolitana da capital, Natal. Lundgren deu a declaração em uma entrevista coletiva para apresentar o balanço das ações da polícia contra os ataques.

“O que estamos vivendo são atos de terrorismo sim. Esses atos visam amedrontar toda a população e acuar as autoridades. Essas pessoas não querem obter lucro econômico, mas sim amedrontar. Não é um grupo terrorista, mas são pessoas que estão fazendo atos de terror”, afirmou o secretário. Para ele, os atos de violência diminuirão à medida que se interromper a comunicação entre presos e bandidos do lado de fora das penitenciárias.

A noite desta segunda-feira foi a terceira de atentados ordenados por facções criminosas no Rio Grande do Norte. O governo de Robinson Lima (PSD) acredita que as ações criminosas são uma retaliação à instalação de bloqueadores de celular na Penitenciária de Parnamirim, uma das maiores do Estado. A principal organização que está por trás dos ataques é chamada de Sindicato do Crime.

Apesar do número de ataques e da necessidade de apelar à ajuda das Forças Armadas, o secretário disse na coletiva que a facção “ainda é uma entidade em formação”. A pedido do governador potiguar e com a autorização do presidente interino, Michel Temer (PMDB), o Exército enviará 1.000 homens ao Estado, vindos também de quartéis em Pernambuco e Paraíba, e 200 da Marinha, todos baseados no Rio Grande do Norte.

Já foram registradas ocorrências de disparos contra delegacias, depredações de prédios públicos e barricadas de fogo montadas na via de acesso ao aeroporto Internacional Augusto Severo, em São Gonçalo do Amarante, na Grande Natal. Até agora foram presas 61 pessoas e há o registro de apenas um ferido — um motorista de ônibus que sofreu queimaduras nos braços e nas pernas.

Segundo o governo do Rio Grande do Norte, um dos principais mandantes dos atentados foi preso na tarde de domingo. João Maria dos Santos de Oliveira, de 32 anos, foi detido com 300.000 reais em dinheiro vivo e com 70 celulares em um condomínio de luxo em Parnamirim, na Grande Natal.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)