Clique e assine a partir de 9,90/mês

Candidato único, Rogério Caboclo é eleito presidente da CBF

Apoiado por dezessete dos vinte clubes da Série A do Brasileirão, ele assume a presidência da entidade em abril de 2019

Por Da redação - Atualizado em 17 Apr 2018, 18h21 - Publicado em 17 Apr 2018, 16h46

O candidato único Rogério Caboclo foi eleito presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para um mandato de quatro anos, inicialmente programado para ter início em abril de 2019, em eleição realizada nesta terça-feira. Caboclo recebeu votos de todos os vinte clubes da série B, com peso 1, e de dezessete da série A, com peso 2. O Atlético-PR não enviou representante, o Flamengo se absteve e o Corinthians votou em branco.

O candidato ainda teve voto das 27 federações estaduais, que têm peso triplo na eleição. Com 135 votos, ele substituirá o presidente afastado da entidade, Marco Polo Del Nero – investigado em escândalo de corrupção e suspenso pela Fifa – a partir de abril do próximo ano, ficando no comando até abril de 2023.

Tabela completa de jogos da Copa do Mundo 2018

Advogado e administrador de empresas, Rogério Caboclo, 45 anos, é de uma família ligada ao São Paulo – seu pai, Carlos Caboclo, foi diretor do clube – e entrou de maneira mais efetiva no futebol há menos de vinte anos. Inicialmente, exerceu cargo na diretoria financeira do clube do Morumbi. Pouco depois, chegou à Federação Paulista, onde estreitou relações com Del Nero e se tornou seu homem de confiança, exercendo cargos na área financeira, e também sendo responsável por alguns projetos na casa.

Quando Del Nero assumiu a CBF, em 2015, Caboclo assumiu o posto de diretor executivo. Com o passar do tempo, e com as complicações envolvendo o então presidente, foi ganhando espaço. Foi diretor o Comitê Organizador Local da Copa do Mundo de 2014, com salários mensais de cerca de 100.000 reais, e atualmente exerce função semelhante no Comitê Organizador Local da Copa América de 2019, que o Brasil vai sediar. Ele também já foi escalado pela CBF para ser o chefe da delegação da seleção brasileira durante a Copa do Mundo da Rússia.

Continua após a publicidade

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade