Clique e assine com 88% de desconto

Obama: ‘Mudanças vão chegar a Cuba. Têm que chegar’

Presidente se defende de crítica sobre a reaproximação com a ilha dos irmãs Castro e diz que era preciso mudar política que não deu certo

Por Da Redação - 19 dez 2014, 19h48

O presidente Barack Obama afirmou nesta sexta-feira que “mudanças vão chegar” a Cuba com a decisão de seu governo e do regime castrista de reatar laços diplomáticos depois de mais de 50 anos de rompimento. “As mudanças chegarão a Cuba. Têm que chegar. (Havana) tem uma economia que não funciona”, disse Obama durante a última entrevista coletiva do ano na Casa Branca.

Em VEJA: Cuba e EUA: o início do fim de um símbolo da Guerra Fria​

Embora tenha se mostrado otimista, o presidente disse compartilhar a preocupação de dissidentes e ativistas de direitos humanos a respeito da repressão imposta pelo regime cubano sobre os cidadãos da ilha. No entanto, Obama defendeu que o ponto principal da normalização das relações “é ter uma oportunidade maior de exercer influência sobre aquele governo”. “Eu não antecipo mudanças do dia para a noite, mas o que eu sei é que se você faz a mesma coisa durante 50 anos e nada muda, você deve tentar algo diferente”.

Sobre as críticas de vários líderes republicanos e até democratas, que vêm afirmando que os irmãos Castro podem aproveitar a simpatia dos americanos para fortalecer o regime, Obama respondeu: “Eu ficaria surpreso se o governo cubano tentasse minar o que é efetivamente sua própria política”. Mas ele admitiu a possibilidade de que a ditadura ainda tome ações “problemáticas”, o que pode tornar mais lenta a relação. No entanto, ressaltou, “esta é a realidade em vários países onde temos embaixada”.

Publicidade

Leia também:

Aproximação com os EUA causa reações distintas na oposição cubana

Cartas do papa Francisco abriram caminho para acordo entre EUA e Cuba

Congressistas criticam aproximação dos EUA com Cuba

Publicidade

Viagem – Obama disse que as relações ainda não estão no estágio que permite uma visita sua à ilha ou viagem de Raúl Castro aos EUA. Acrescentou, no entanto, que ainda é “um homem jovem” e que poderá ir a Cuba algum dia.

Por fim, o presidente contou detalhes da conversa telefônica que teve com Raúl Castro na terça-feira. O presidente afirmou que antes de começar efetivamente o diálogo aproveitou para fazer uma exposição verbal que se estendeu por 15 minutos. Depois do monólogo, ele pediu desculpas a Raúl. O ditador cubano aproveitou então para fazer uma piada. “Não se preocupe presidente, o senhor ainda não quebrou o recorde de Fidel, que uma vez falou sem parar por sete horas”. Na sequência, segundo Obama, Raúl também fez um longo monólogo que durou o dobro do tempo de sua fala. “É uma coisa de família”, brincou Obama.

Publicidade