Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
CLIQUE E RECEBA A REVISTA EM CASA A PARTIR DE R$14,90/MÊS Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90

Times históricos: o Fluminense de 1984

Dois títulos em dois torneios disputados naquele mágico ano

Por Redação PLACAR Atualizado em 8 mar 2017, 14h25 - Publicado em 13 jan 2017, 14h41

Um dos maiores times da história do Fluminense, o time de 1984 começou a ser montado um ano antes. Em 1984, no entanto, o título mais importante do clube até então foi conquistado. Sob comando de Carlos Alberto Parreira, o forte time conquistaria o Campeonato Brasileiro daquele ano.

E Parreira não era o único daquele time que, dez anos mais tarde, seria tetracampeão do mundo com a seleção. O lateral esquerdo Branco, no auge de sua carreira, brilhava no time tricolor e era um dos grandes símbolos daquela equipe. Naquele time do Flu, fazia grande dupla com o ponta-esquerda Tato, sendo importante para a conquista.

Outro destaque era o zagueiro Ricardo Gomes. Ele seria tetracampeão mundial como Brasil, mas foi contado, por lesão, pouco antes da Copa de 1994. Em 1984, era um recém-formado zagueiro de muita qualidade e precisão. Naquele ano, conquistaria o Brasileiro com o Flu, como uma das maiores revelações da história da equipe.

Com um 0 x 0, o Fluminense conquistou o Brasileiro contra o Vasco – RONALDO KOTSCHO

A defesa daquele Tricolor ainda tinha Paulo Vítor, goleiro-ídolo no Tricolor, eficiente e carismático; o lateral direito Aldo, marcador de muita qualidade; e o zagueiro Duílio, um dos mais talentosos zagueiros da história do clube.

No meio, destacavam-se Delei, revelação do clube e essencial para criar as jogadas de ataque do time, além de Romerito, paraguaio que era o craque daquela equipe, responsável por marcar muitos gols, inclusive o do título Brasileiro. 

Por fim, na dupla de ataque, vinha o Casal 20 do Fluminense. Washington e Assis eram o terror das zagas adversárias. Washington era alto, com 1,88 m, e tinha grande impulsão e qualidade para marcar muitos gols, sendo boa parte deles de cabeça. Fez 118 gols em 311 jogos pelo Tricolor. Já Assis era mais técnico, bom de dribles e responsável por gols importantes contra o Flamengo.

Assis e Washington: O casal 20 – RICARDO BELIEL

E o primeiro torneio do ano seria justamente o Campeonato Brasileiro. E o Flu iniciou aquela campanha com o técnico Carbone. Na primeira fase, o Fluminense caiu no Grupo C com Santos, ABC, Ferroviário-CE e Confiança. Com cinco vitórias, dois empates e apenas uma derrota, para o Santos, no Maracanã, o time se classificou em segundo com 12 pontos. Após o término da primeira fase, Ricardo Lopes perdeu vaga para Paulo Vítor no gol, enquanto Getúlio começou a ser trocado por Aldo. Vica começou a ser trocado por Ricardo Gomes e Romerito, vindo do New York Cosmos-EUA, começaria a jogar.

Ainda com Carbone e com Getúlio mais utilizado que Aldo, o Fluminense foi campeão do Grupo A na segunda fase, com três vitórias, dois empates e uma derrota em grupo com Goiás, São Paulo e Bahia. A única derrota foi na última rodada, para o Goiás por 0 x 3, em Goiânia, resultado que tirava o São Paulo da disputa.

Capa da PLACAR após o bicampeonato carioca – Revista Placar

Antes dessa derrota para o Goiás, no dia 28 de março, estreava pelo Fluminense aquele que seria o craque e maior responsável pela conquista do clube, Romerito, em amistoso contra um combinado de Cerro Porteño e Sol de América, no Defensores del Chaco, em Assunção. E no jogo em que estreava, Romerito marcava o gol da vitória de 1 x 0 do Tricolor.

Já com Romerito, o Fluminense jogaria a terceira fase do Brasileiro no Grupo A, com Portuguesa, Operário-MS e Santo André. Com quatro vitórias e dois empates, o time se classificou em primeiro para as quartas de final. Contudo, logo no segundo jogo, um empate em 0 x 0 contra o Operário, em Campo Grande, o técnico Carbone foi demitido. Na vitória de 1 x 0 sobre a Portuguesa, no Canindé, o treinador foi o interino José Carlos Amaral.

Romerito comemora gol contra a Portuguesa no Brasileiro – RODOLPHO MACHADO

Já na primeira rodada do returno, em São Januário, em vitória de 2 x 0 sobre o Operário, o treinador do Fluminense já era Carlos Alberto Parreira, que voltara do Kuwait e estreava naquele ano de 1984, em sua segunda passagem no Flu. Ele ainda venceria a Portuguesa (4 x 2) em casa e empataria com o Santo André fora.

Washington levanta a taça ganha pelo Fluminense em 1984 – RONALDO KOTSCHO

O rival nas quartas de final seria o Coritiba. Com melhor campanha, o time decidiria em casa. No Couto Pereira, Washington abriu o placar para o Tricolor, de cabeça. Vavá empatou para o Coritiba e Romerito, no começo do segundo tempo, marcou o segundo do Flu. Lela, aos 31 do segundo tempo, empatou o jogo.

A partida de volta seria no Maracanã e seria um show do Flu. Com gols de Assis, Washington (2), Renê e Romerito, o Tricolor fez 5 x 0 e avançou para a semifinal, com mais de 60 mil torcedores no maior do mundo.

Continua após a publicidade

O bicampeonato carioca foi conquistado em 1984 – RODOLPHO MACHADO

A semifinal seria contra o Corinthians, da democracia corintiana. E logo no primeiro jogo, no Morumbi, com mais de 95 mil torcedores, o Fluminense venceu por 2 x 0, com gols de Assis e Tato. Com renda de CR$ 246.078.500,00, que jogo quebrava o recorde do torneio.

Na volta, no Maracanã, o recorde de renda foi novamente quebrado (CR$ 335.384.500,00) com mais de 118 mil torcedores no estádio, para assistirem a uma partida sem gols que levou o Tricolor para a decisão.

Delei e Assis comemora gol contra o Corinthians, no Morumbi – RONALDO KOTSCHO

E o rival seria o Vasco, em dois jogos no Maracanã, com vantagem de resultados iguais para o Flu, dono da melhor campanha. E a final acabaria sendo decidida no primeiro jogo. Com gol de Romerito aos 23 do primeiro tempo, mais de 63 mil torcedores viram o Fluminense fazer 1 x 0 contra o rival, que precisaria vencer por dois gols de diferença no jogo da volta.

Contudo, com um empate sem gols, para um público de 128.781 torcedores e renda recorde de CR$ 638.160.000,00, o Fluminense sagrou-se campeão brasileiro naquele ano de 1984.

Contra o Vasco, na final do Brasileiro de 1984 – RONALDO KOTSCHO

Após o título, o Flu jogou torneios amistosos pelo mundo, encarando, por exemplo, o Barcelona, com empate por 2 x 2 e derrota nos pênaltis, por 4 x 5. Nesses amistosos, em uma derrota de 1 x 3 para o Vancouver Whitecaps, do Canadá, Parreira se despediu do comando do time. Luiz Henrique assumiu já contra o Atlético-PR, no amistoso seguinte.

A estreia no Campeonato Carioca seria dois meses mais tarde, contra o América-RJ, no Maracanã, com vitória de 2 x 1 dos tricolores. 

Vica e Roberto comemoram o título carioca de 1984 –  RODOLPHO MACHADO

Ao final da Taça Guanabara, o primeiro turno, o Flu foi vice-campeão, com sete vitórias, três empates e uma derrota em onze jogos, com 18 gols pró e apenas seis contra. Ficou dois pontos atrás do Flamengo, que venceu nove e empatou uma e onze jogos. A única derrota do time foi no Maracanã, com quase 100 mil torcedores, para o Flamengo, por 0 x 1, em jogo que tirou o título da equipe. Essa derrota tirou o treinador Luiz Henrique do comando do Tricolor.

FLUMINENSE CAMPEÃO CARIOCA DE 1984 – Aldo, Paulo Victor, Duílio, Vica, Leomir e Renato; Romerito, Renê, Washington, Assis e Tato – Revista Placar

Antes disso, o Fluminense fez diversos amistosos na Itália, vencendo inclusive o Milan, por 1 x 0, com gol de Washington. Após a derrota na Taça Guanabara, já com Carlos Alberto Torres no comando, o time fez amistosos com a seleção coreana, camaronesa e um combinado de Seul, longe de casa. Na volta, pela Taça Rio de Janeiro, o clube voltou a ser vice-campeão. Foram sete vitórias, dois empates e duas derrotas em onze jogos, com 19 gols pró (melhor ataque) e dez gols contra. O título ficou com o Vasco, que ficou um ponto à frente. As derrotas foram para Vasco e Botafogo, no Maracanã. Mas uma vitória de 2 x 1 sobre o Flamengo salvou o Flu naquele momento. 

Na classificação acumulado dos dois turnos, o Flu ficou em segundo, com 14 vitórias, cinco empates e três derrotas, com 37 gols pró e 16 contra. Por conta de ter sofrido um gol a mais que o Flamengo, ficaria em segundo. Mas como esse não era critério de desempate, ficou estabelecido que Flamengo e Fluminense empataram em primeiro. E como a regra do torneio estabelecia que se o time de melhor campanha não fosse o campeão de um dos turnos, o título seria decidido em um triangular final.

Fluminense acabou com o título carioca em cima do Flamengo – RODOLPHO MACHADO

Assim, Flamengo, Fluminense e Vasco foram disputar o título carioca daquele ano. Na primeira partida, com mais do que 94 mil torcedores, Fluminense e Vasco se enfrentaram no Maracanã, novamente em uma decisão. Com gols de Romerito e Paulinho, o Flu venceu por 2 x 0. Como o Flamengo também venceu o Vasco por 1 x 0, o jogo decisivo, para definir o campeão carioca de 1984, seria entre Flamengo e Fluminense. E naquele dia 16 de dezembro, o Flu fez 1 x 0, com gol de Assis aos 30 minutos do segundo tempo, de cabeça, em um Maracanã com 153.520 torcedores. Com esse triunfo, o Flu tornou-se bicampeão carioca.

Fluminense, campeão brasileiro de 1984 – Aldo, Paulo Vítor, Duílio, Ricardo Gomes, Jandir e Branco; Romerito, Delei, Washington, Assis e Tato – RICARDO CHAVES

Continua após a publicidade
Publicidade