F1: Doria pretende vender Interlagos a Ecclestone

Prefeito eleito de São Paulo quer privatizar o autódromo e transformá-lo em um local moderno e rentável como o circuito de Abu Dhabi

Por da redação - Atualizado em 16 nov 2016, 17h01 - Publicado em 16 nov 2016, 16h53

O prefeito eleito de São Paulo, João Doria Jr. (PSDB), revelou nesta quarta-feira que oferecerá ao empresário Bernie Ecclestone, chefão da Fórmula 1, a concessão do circuito do Autódromo de Interlagos, com a intenção de privatizar a sede do GP do Brasil.

“Na semana que vem vamos fazer uma reunião com os organizadores da Fórmula 1 aqui no Brasil. Eles evidentemente já sabem nossa posição”, declarou Doria a jornalistas após uma reunião sobre a transição do governo municipal com o atual prefeito Fernando Haddad (PT).

O presidente e CEO da Formula One Management, Bernie Ecclestone, visita o presidente da República, Michel Temer, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF) - 10/11/2016 Ecclestone e Temer, no Palácio do Planalto

Ecclestone e Temer, no Palácio do Planalto /Divulgação

“Vou convidar Bernie Ecclestone e todos aqueles que sejam promotores internacionais da Fórmula 1 para realizar um consórcio e permitir que eles possam participar do programa de privatização de Interlagos”, acrescentou.

Dias antes do GP do Brasil do último domingo, Ecclestone se reuniu com o presidente Michel Temer, em Brasília, para discutir sobre o futuro da Fórmula 1 no Brasil.

Publicidade

Doria citou um modelo a ser seguido. “Será o mesmo que o de Abu Dhabi, um dos autódromos mais modernos do mundo, que abre 365 dias por ano. Nosso conceito para Interlagos é que podemos ter um museu do automobilismo, talvez até com o nome de Ayrton Senna, e a preservação do autódromo, do kartódromo e do parque de Interlagos com acesso gratuito e a valorização imobiliária”, afirmou.

CBF, Pacaembu e Interlagos: o dedo de Doria no esporte

De acordo com o Doria, que assumirá em 1º de janeiro de 2017, a privatização do autódromo e do Parque Anhembi, agora o segundo maior espaço de feiras e exposições na cidade, atrás do São Paulo Expo, gerará 4 bilhões de reais em recursos.

“Serão os dois primeiros programas robustos de privatização que a Prefeitura realizará. O Parque Anhembi terá três concessões: o Sambódromo, o Palácio de Convenções e o Pavilhão de Exposições”, explicou Doria, que confia que a câmara municipal aprovará as propostas. O prefeito também já revelou que estuda a privatização do Estádio do Pacaembu.

Publicidade

 

Publicidade