Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

USP despenca em ranking internacional de reputação acadêmica

A Universidade é a única da América Latina no top 100 da lista elaborada pela revista britânica Times Higher Education (THE) e caiu ao menos 40 posições em relação a 2015

A Universidade de São Paulo (USP) caiu cerca de 40 posições no Top 100 do ranking de reputação acadêmica elaborado pela revista Times Higher Education (THE), uma das principais referências do mundo em medição de qualidade do ensino superior. A USP, atualmente a única instituição da América Latina entre as cem do ranking, caiu da faixa 51-60 para a 91-100 em relação ao ano passado.

Na lista, as universidades são mencionadas por posição até o 50º lugar e, a partir daí, são enquadradas em grupos de dez até a 100ª posição. O ranking existe desde 2011 e a USP foi inserida na relação em 2012.

No ano passado, em outro ranking elaborado pela THE, o de melhores universidades do mundo, a USP e a Unicamp também tiveram posições piores que em anos anteriores. A USP ficou no grupo entre 251 e 300 melhores universidades, enquanto na edição anterior estava no grupo 201-225. Já a Unicamp saiu da faixa 301-350 das melhores universidades e migrou para o grupo das 351-400.

Leia também:

USP e Unicamp caem em ranking internacional ​

Líder na América Latina, USp fica na 143ª posição de ranking universitário global

Melhor reputação – No ranking divulgado nesta quarta-feira, que avalia a reputação internacional das universidades, a Universidade Harvard, nos Estados Unidos, repetiu o primeiro lugar, que conquistou em todas as edições do ranking. Os Estados Unidos são o país com maior número de universidades incluídas: 43. O segundo lugar ficou com o Instituto de Tecnologia de Massachusetts e o terceiro com a Universidade de Stanford.

As instituições americanas e britânicas dominam o topo. Em quarto e quinto lugares estão as Universidades de Cambridge e de Oxford, no Reino Unido.

As exceções nas 20 primeiras colocações são a Universidade de Tóquio (Japão), em 12º lugar, a Universidade Tsinghua (China), na 18ª posição e o Instituto Federal de Tecnologia de Zurique (Suíça), em 19º lugar.

No ranking completo, aparecem 18 países. Em 2015 apareciam 21, mas México, Finlândia e Dinamarca não têm representantes neste ano.

Avaliação – Para medir a reputação das instituições, o ranking considera aspectos como participação em projetos internacionais de pesquisa e capacidade para atrair professores e alunos estrangeiros. O resultado final foi produzido com base em 10.323 respostas dadas por especialistas de 133 países, coletadas entre janeiro e março.

De acordo com o editor dos rankings do THE, Phill Baty, a lista mostra que há “seis universidades de marca global firmemente entrincheiradas em um grupo de elite” desde que o ranking de reputação foi criado. “A reputação é a moeda global da educação superior. O conceito pode ser subjetivo, pode nem sempre ser justo, mas tem profunda importância”, disse Baty.

Segundo ele, apesar de não haver novidades no predomínio das universidades do grupo de elite, o ranking mostra que houve progressos nas universidades da China, de Hong Kong, do Japão e da Coreia do Sul. “Agora temos uma universidade chinesa entre as 20 melhores do mundo pela primeira vez e uma outra logo atrás, entre as 30 melhores”, afirmou Baty.

Os países asiáticos, que tinham dez universidades entre as cem melhores em 2015, agora somam 17 instituições.

(Com Estadão Conteúdo)