Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Norman volta como um Édipo moderno em ‘Bates Motel’

Série que estreia no Brasil nesta quinta-feira, no canal Universal, tem Freddie Highmore no papel do submisso personagem do clássico 'Psicose'

Por Patrícia Villalba, do Rio de Janeiro
4 jul 2013, 16h01

Como explicar o que levou o doce e submisso Norman Bates a se vestir como a mãe e promover um banho de sangue no motel da família? A dúvida, a perseguir os admiradores do thriller Psicose desde 1960, é digna de uma nova história, preâmbulo macabro de uma tragédia cujo final todo mundo conhece. Bates Motel, série do Universal Channel que foi ao ar nos Estados Unidos em março e chega ao Brasil nesta quinta-feira (4), às 22 horas, é isso e um pouco mais. “A série é interessante porque na maioria dos programas de TV você não sabe qual é o final; aqui, sim. Então, o melhor é saber como se desenvolveu a relação desses dois personagens, Norma e Norman”, observou o ator inglês Freddie Highmore, que visitou o Rio há duas semanas para divulgar a série.

LEIA TAMBÉM:

Hitchcock, o Cézanne do cinema

Em vez de aparecer como uma megera, perfil que o filme faria supor, Vera Farmiga preenche com seu charme aquela figura enigmática e embalsamada do filme, tão bela, confusa e inconsequente quanto uma verdadeira personagem feminina de Alfred Hitchcock. “Vera defende tão bem a personagem, que temos certeza de que ela controla o filho pensando que isso é o melhor a fazer”, diz Highmore, que chegou a corar ao ser questionado, durante a entrevista coletiva, se a beleza da atriz ajuda a criar o clima edipiano da história. “Ela é, sem dúvida, muito bonita. Se tornou uma amiga da família”, disse ele, entre muitas voltas, filho de uma experiente agente de atores e namorado da atriz Emma Roberts.

Continua após a publicidade

NOVA TEMPORADA: ‘Bates Motel’ estreia em julho no canal Universal

Com dez episódios e uma segunda temporada a caminho, Bates Motel usa com inteligência as referências ao filme. Mostra como, por exemplo, Norman aprendeu a arte da taxidermia, essencial no filme. Vera e Freddie ensaiaram bastante até chegarem ao modelo de voz usado nas discussões entre mãe e filho que se parecem assustadoramente com o diálogo imaginário que Perkins protagoniza no longa-metragem – a semelhança entre os dois atores é notável e não deixa dúvida para o telespectador de que aquele adolescente se tornará o tão conhecido personagem. “Perkins foi uma referência o tempo todo. Era parte do trabalho fazer acreditar que nós somos a mesma pessoa”, admitiu o ator.

Há, ainda, uma criação livre sobre a árvore genealógica do personagem, que ganha um irmão, Dylan (Max Thieriot), filho de um primeiro casamento de Norma, e algumas histórias paralelas um tanto desnecessárias. Mas se pode arriscar dizer que Alfred Hitchcock aprovaria o spin-off televisivo do seu clássico.

Em 1960, ele mesmo escalou atores do seu programa de TV para o elenco do filme, por restrições no orçamento – de 800 mil dólares, que renderam 50 milhões de dólares. Sem se revelar para o autor Robert Boch, para poder pagar uma ninharia, comprou os direitos do livro Psicose (Pshyco) e pôs no papel principal um perfeito e desconhecido Anthony Perkins – como o personagem, filho de uma mãe dominadora.

Continua após a publicidade

Foi um Norman Bates tão impactante que o ator acabou marcado pelo papel. Com 21 anos, e até agora recebendo elogios por interpretar garotos bonzinhos, Highmore jura que não sente o peso do ícone. “Há certa pressão, mas para mim é mais um desafio, como os outros da minha carreira”, disse ele, aluno de Letras da Universidade de Cambridge. “Comecei muito pequeno, e acho natural que os papeis tenham mais complexidade à medida que vou ficando mais velho.”

LEIA TAMBÉM:

Scarlett Johansson viverá atriz de ‘Psicose’ em novo filme

Filmada em Vancouver, no Canadá, a série reproduz os cenários do filme original, mas traz a história para os dias atuais. Mas não dispensa o saudosismo, e adota uma estética entre os anos 50 e 60. Norman, mesmo assim, tem iPhone. “Acho que é mais fácil criar identificação com o público num contexto contemporâneo”, justifica o ator, que usa o jeito de bom menino para compor a personalidade de um assassino vitimizado que apela para nosso coração mole – tem tipo mais atual? “Isso faz parte do motivo pelo qual me convidaram para o papel”, explica. “Você vê Norman como uma vítima porque ele sofre com a pressão da mãe, mas isso não quer dizer que ele é totalmente bom. Ele tem um lado mau e sombrio, e a gente sabe disso porque conhecemos o final da história.”

O ator conta que o melhor momento dos quase quatro meses de filmagens foi o da primeira entrada no cenário do Motel Bates. “Foi quando caiu a ficha – essa é minha casa, esse é o Motel Bates”, lembrou. “Não é o lugar mais agradável para estar.”

Continua após a publicidade

O lugar é agora palco de uma dose muito maior de sangue e tragédia. “Vi o filme quando tinha 13 anos e claro que gritei naquela cena do chuveiro. Mas não cheguei a ter pesadelos porque é tudo mais sugestivo, não acho muito explícito. Na série, podemos mergulhar no lado mais sombrio do personagem”, observou, que não deve aparecer tão cedo vestido com as roupas da mãe – a mania teria começado com ela ainda viva ou somente depois de morta? “Muita gente me pergunta isso. Quem sabe um dia apareça essa cena? Acho que é uma tentação a que ainda vamos resistir por um tempo”, desconversou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.