Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Waldomiro Diniz é condenado a 12 anos de prisão

Em 2002, Diniz foi filmado pelo bicheiro Carlinhos Cachoeira enquanto tentava extorqui-lo para obter recursos para a campanha eleitoral do PT

Por Da Redação 1 mar 2012, 12h18

O ex-presidente da Loterj Waldomiro Diniz, um dos pivôs do primeiro grande escândalo do governo Lula, em 2004, foi condenado nesta quinta-feira por corrupção passiva e ativa e crime contra a lei de licitações. A pena imposta foi de 12 anos de reclusão, três anos de detenção, 240 dias-multa (sendo que o valor de cada dia-multa é de um salário mínimo) e multa de 170 mil reais. A decisão foi decretada pela juíza Maria Tereza Donatti, da 29ª Vara Criminal do Rio de Janeiro.

Em 2002, Diniz foi filmado pelo bicheiro do Rio de Janeiro, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, enquanto tentava extorqui-lo para obter recursos para a campanha eleitoral do Partido dos Trabalhadores (PT). As imagens foram divulgadas em fevereiro de 2004, disparando os escândalos que derrubaram seu chefe, o então ministro da Casa Civil, José Dirceu.

Rede de Escândalos: O caso Waldomiro Diniz e demais fraudes que chocaram o país

Segundo a sentença, houve negociata de propina e de doações para campanhas políticas com dinheiro público em contrato envolvendo mais de 160 milhões de reais. Waldomiro atuou na Loterj durante os governos de Anthony Garotinho e Benedita da Silva, época em que o consórcio “Combralog”, pertencente a Carlinhos Cachoeira, ganhou a licitação para fornecer o serviço de loteria online ao Estado.

Em fevereiro de 2002, logo depois de vencer a licitação, Carlinhos Cachoeira descobriu que o presidente da Loterj tinha outro edital, aprovado pelo Tribunal de Contas do Estado, pronto para ser lançado e que colidia diretamente com o assinado por ele. Sentindo-se ameaçado, Carlinhos combinou um encontro com Waldomiro Diniz, que aceitou fazer um acordo, mas solicitou comissão de 1% sobre o preço do contrato entre a Combralog e a Loterj. Além da ajuda financeira para campanhas, Waldomiro pediu que o consórcio contratasse um amigo, que viria a intermediar seus pedidos de propina.

Na reunião, eles acordaram que o objeto do novo edital seria modificado de acordo com os interesses da Combralog. No encontro, que foi totalmente gravado, eles trataram o edital como “negócio Herbara”.

Em novembro de 2002, a Herbara Distribuidora de Produtos Lotéricos S/A assinou com a Loterj um contrato com duração de cinco anos no valor de 51 milhões de reais. Segundo a juíza Maria Tereza Donatti, “a negociata entre Waldomiro e Carlinhos Cachoeira visava a interesses pessoais e também de políticos que seriam beneficiados com as doações”.

Carlinhos Cachoeira foi condenado por corrupção ativa e fraude à licitação. O bicheiro recebeu pena de oito anos de reclusão, dois anos e seis meses de detenção, 160 dias-multa e multa de 85 mil reais. Embora o regime inicial de cumprimento da pena seja o fechado, tanto Waldomiro quanto Carlinhos poderão apelar em liberdade.

Continua após a publicidade
Publicidade