Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Neymar faz 4 gols… e é vaiado pela própria torcida

Torcedores do PSG queriam que brasileiro tivesse cedido cobrança de pênalti a Cavani. Treinador defendeu o camisa 10

Por Da redação - Atualizado em 18 jan 2018, 12h44 - Publicado em 18 jan 2018, 09h06

Neymar teve sua melhor atuação pelo Paris Saint-Germain nesta quarta-feira, na goleada por 8 a 0 sobe o Dijon, mas, por mais surreal que isso possa parecer, foi vaiado por boa parte da torcida do próprio PSG e deixou o campo irritado. Mais uma vez, o motivo da discórdia foi uma cobrança de pênalti: o brasileiro pegou a bola e fez seu quarto gol na partida, válida pela 21ª rodada do Campeonato Francês, mas a torcida queria que o uruguaio Edinson Cavani batesse e se tornasse o maior artilheiro da história do PSG.

A cena surpreendente aconteceu no fim da partida, quando o placar marcava 7 a 0. Cavani sofreu pênalti e, caso marcasse o seu segundo gol no jogo, ultrapassaria a marca de 156 gols do sueco Zlatan Ibrahimovic. Neymar, no entanto, pegou a bola, sem ser incomodado por Cavani e a torcida o repreendeu, com vaias, e gritando o nome do uruguaio. Neymar bateu bem e comemorou timidamente, cumprimentado pelo próprio Cavani e outros companheiros.

Ao deixar o gramado, Neymar pegou a bola do jogo (uma tradição para quem faz três ou mais gols) e não quis dar entrevista para a emissora de televisão. O jornalista ainda teve de correr para entregar-lhe o prêmio de melhor em campo, que o brasileiro logo repassou a um funcionário do PSG, antes de ir para o vestiário com semblante sério. Ele foi o único jogador a deixar o campo sem cumprimentar os torcedores. 

Técnico defende Neymar

O técnico Unai Emery minimizou o episódio e deu total apoio a Neymar por sua atitude. “Nosso líder em campo é o Neymar. O time está melhor com ele e o clube fez um grande esforço para ter jogadores importantes como ele. Atletas como Neymar, Daniel Alves e Kylian Mbappé dão excelência à equipe.”

Publicidade

Tabela completa de jogos da Copa do Mundo 2018, com dias e horários

O treinador do Paris Saint-Germain lembrou ainda que Cavani terá outras oportunidades para alcançar a marca inédita. “Ele é o nosso artilheiro e o time o ajudou a alcançar essa estatística individual. O Neymar bateu o pênalti porque estava em uma noite inspirada. Estamos felizes e sei que haverá mais oportunidades para Cavani fazer os gols”.

O lateral Thomas Meunier também defendeu o brasileiro, mas disse que ele poderia ter cedido a cobrança ao uruguaio. “As vaias são uma pena e um pouco ingratas. Ele fez quatro gols e deu duas assistências. Cavani é da casa, já faz alguns anos que está aqui e sempre tem uma atitude correta com o clube e os torcedores, além de ser um excelente jogador. Ele é muito querido. Neymar poderia ter dado a bola, seria um gesto de fair play, mas no papel é Neymar quem deve bater os pênaltis e tem essa responsabilidade. Não tem polêmica a ser feita com isso, é normal o que aconteceu”, afirmou o jogador belga.

Meunier disse ainda que Neymar estava tranquilo no vestiário. “Ele estava sorridente. Ele teve uma atitude impulsiva e se sentiu magoado no momento. São coisas que acontecem. E por outro lado, ele tem razão, ele fez muito pela equipe hoje e os torcedores vaiaram, ele não assimilou tão bem. Eu acho que a maioria dos jogadores teria a mesma reação.”

Neymar comemora um de seus quatro gols contra Dijon, pelo Campeonato Francês, em Paris

Neymar comemora um de seus quatro gols contra Dijon, pelo Campeonato Francês, em Paris Christophe Archambault/AFP

Publicidade