Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Operação ‘lixo escondido’ funciona na Baía de Guanabara

Governo do Rio aumenta presença de ecobarreiras para conter poluição durante provas de vela. Atletas elogiam águas

Por Thiago Prado Atualizado em 8 ago 2016, 21h35 - Publicado em 8 ago 2016, 18h29

O Rio de Janeiro escapou do vexame de transmitir para o mundo inteiro a imagem de um velejador próximo ao lixo que polui há décadas a Baía de Guanabara. No primeiro dia de competições de vela, o governo do Estado concentrou esforços em ações paliativas para conter a poluição das águas. Atletas e torcedores saíram felizes da Marina da Glória, especialmente com o belo visual do local que junta no mesmo cenário a praia e o Pão de Açúcar ao fundo. “A Baía estava perfeita”, definiu Robert Scheidt, esperança de medalha do Brasil na classe Laser.

LEIA TAMBÉM:
Arenas vazias: para o comitê, a culpa é do torcedor
Polícia prende outra quadrilha de cambistas na Rio-2016

É unanimidade entre os organizadores dos Jogos Olímpicos que o Rio perdeu nos últimos sete anos uma excelente oportunidade de despoluir a Baía de Guanabara – promessa sempre propalada pelos políticos desde 1995, quando o primeiro (e bilionário) programa de limpeza do cartão-postal carioca foi lançado. Em 2009, quando venceu a disputa pela sede da Olimpíada contra Madri e Chicago, o Rio se comprometera no dossiê da candidatura a tratar 80% do esgoto despejado nas águas até 2016 (hoje, o governo afirma cuidar de 51%). Como cidades da Baixada Fluminense e São Gonçalo, na Região Metropolitana, carecem de saneamento básico, acabam despejando lixo nas águas da Guanabara diariamente. 

Sem ter dado fim à poluição crônica, restou ao governo do Estado uma contínua operação de enxuga gelo para evitar o colapso ambiental da Baía. Diariamente desde o início do ano, o que vem sendo feito é a coleta e bloqueio de lixo por meio de barcos e ecobarreiras. Desde janeiro, mais de 2 400 toneladas de dejetos foram retiradas das águas. Hoje, uma espécie de força-tarefa aumentou ainda mais a maquiagem. Até o dia 18, último dia das competições de vela, haverá dois sobrevoos diários na Baía para detectar se o lixo vai invadir alguma área de competição. A quantidade de ecobarcos em ação também aumentou – passou de dez para dezesseis. “A Baía não é homogênea. Tem lugares bons e ruins e o local da vela nunca foi uma preocupação. É boa inclusive para mergulho. O desafio é o lixo, lixo zero não existe em nenhuma baía”, afirma o secretário estadual de Meio Ambiente, André Correa.  

Continua após a publicidade
Publicidade