Clique e assine com 88% de desconto

Isinbayeva detona ‘funeral’ do atletismo: ‘Puramente político’

Fora da Rio-2016, bicampeã olímpica do salto com vara fez duras críticas ao banimento do atletismo russo, envolvido em escândalo de doping

Por Da redação - 21 jul 2016, 09h46

Imediatamente após o Tribunal Arbitral do Esporte (TAS, na sigla em francês) referendar o banimento do atletismo da Rússia na Olimpíada do Rio de Janeiro, políticos e esportistas do país se manifestaram contra a punição nesta quinta-feira. A bicampeã olímpica do salto com vara, Yelena Isinbayeva, foi bastante dura.

“Obrigada a todos por terem enterrado o atletismo. Isso é puramente político”, afirmou à agência de notícias estatal russa TASS. Em sua conta no Instagram, Isinbayeva foi ainda mais taxativa, com uma mensagem em russo.

Leia também:
Rússia acusa EUA de conspiração
COI adia decisão sobre punição à Rússia
Wada pede que COI exclua a Rússia da Rio-2016

“A esperança acabou. Que todos os atletas estrangeiros ‘pseudo-limpos’ possam respirar aliviados e ganhar suas ‘pseudo-medalhas de ouro’ na nossa ausência. O poder sempre foi temido” , atacou a russa.

A atleta de 34 anos já havia avisado que não aceitaria competir sob a bandeira neutra do Comitê Olímpico Internacional (COI), última brecha possível e, por isso, está oficialmente fora dos Jogos no Brasil.

Publicidade

View this post on Instagram

Была, да сплыла надежда… 😫😖😭 Пусть все эти псевдо-чистые иностранные спортсмены выдохнут с облегчением и выигрывают свои псевдо-золотые медали в наше отсутствие. Силу всегда боялись. 😔😔😔😔😔😔😔😔😔😔😔

A post shared by Yelena Isinbaeva (@isinbaevayelena) on

Vitaly Mutko, Ministro dos Esportes da Rússia acusado diretamente de participação no escândalo, declarou que “a resolução é tendenciosa, um pouco politizada e não possui bases legais para ser aplicada”. “Infelizmente, um certo precedente foi estabelecido para a responsabilidade coletiva “, completou.

Publicidade

O porta-voz do governo, Dmitry Peskov, também criticou a punição geral. “Eu certamente lamento essa decisão do TAS. O princípio da responsabilidade coletiva é difícil de aceitar”.

 

Publicidade