Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Botafogo e Vasco disputam clássico no Engenhão

Por Tiago Rogero

Rio – Botafogo e Vasco chegam ao clássico deste domingo, às 18h30, no Engenhão, após dois empates na rodada do meio de semana. Pela Copa Libertadores, em jogo tumultuado no Paraguai, o Vasco saiu na frente, mas não conseguiu segurar o Libertad: 1 a 1. O mesmo aconteceu com o Botafogo, pela Copa do Brasil, mas, contra um adversário bem inferior tecnicamente, o Treze-PB, e o 1 a 1 teve gosto de derrota.

Para a partida deste domingo, o técnico Cristóvão Borges deve escalar time misto. Na próxima quarta-feira, o Vasco volta a enfrentar o Libertad, mas em São Januário. O experiente meia Juninho Pernambucano, no entanto, poupado no jogo em Assunção, deve voltar ao time. A ausência dele causou polêmica esta semana, mas na última sexta o atleta, de 37 anos, defendeu o planejamento, feito entre ele e a comissão técnica.

Outro líder do time, o meia Felipe pediu que os jogadores esqueçam, por ora, a competição continental. “Temos de �trocar o chip� da Libertadores pelo do Estadual. O Botafogo tem uma bela equipe e vai ser um clássico muito difícil”, disse. O atleta, entretanto, deve ser poupado. Já Diego Souza, expulso no último jogo e portanto suspenso para o duelo de quarta, deve começar o clássico entre os titulares.

No Botafogo, a expectativa é pelo retorno de quatro jogadores que desfalcaram a equipe contra o Treze: Loco Abreu, Andrezinho, Fellype Gabriel e Marcelo Mattos. Para o técnico Oswaldo de Oliveira, o jogo é decisivo. “Toda vez em que entramos em campo, queremos ganhar confiança e com as expectativas em alta. Mas tenho que admitir que é uma situação diferente. Posso não vencer, pois se trata do Vasco, um adversário qualificado”, disse.

O meia Andrezinho, de volta após duas semanas, está ansioso pela primeira vitória do Botafogo em clássicos na temporada. “Mas também não perdemos (clássicos)”, ressaltou. O atleta quer marcar o primeiro gol com a camisa botafoguense. “Queria fazer um gol o mais rapidamente possível, claro, ainda mais num clássico. Mas isso não me tira o sono”, afirmou.