Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Rodízio proposto há 1 ano pouparia 12,3% do Cantareira

Documento entregue pela Sabesp em janeiro do ano passado citava corte do abastecimento por 24 horas nas regiões abastecidas pelo reservatório

Por Da Redação - 29 jan 2015, 08h41

Descartado pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB) no início da crise hídrica, o plano de rodízio proposto há um ano pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), de 48 horas com água e 24 horas sem, apenas para as regiões abastecidas pelo Sistema Cantareira, poderia ter resultado em uma economia de 120 bilhões de litros em 2014. A quantidade equivale a 12,3% da capacidade do manancial e supera a segunda cota do volume morto (105 bilhões de litros), que está sendo retirada pela empresa desde outubro.

Leia também:

Pimentel admite chance de racionamento severo em Minas

O plano “Rodízio do Sistema Cantareira 2014”, revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo em agosto, foi entregue em janeiro pela Sabesp ao Departamento de Águas e Energia Elétrica de São Paulo (DAEE), um dos órgãos reguladores do manancial. No documento, a companhia afirma que “o rodízio deve ser planejado em face da situação crítica de armazenamento nos mananciais” e previa uma economia de 4.200 litros por segundo na retirada do sistema, que resultariam em 120 bilhões de litros entre fevereiro e dezembro.

Publicidade

À época da revelação do plano, Alckmin disse que o rodízio “é tecnicamente inadequado” e o pacote de medidas adotadas pelo governo até então (redução da pressão da água, bônus na conta e transferência entre sistemas) “equivale a um racionamento de 36 horas com água e 72 horas sem”. Já a Sabesp informou que o plano foi feito antes da crise, para o processo de renovação da outorga do Cantareira, que ocorreria em agosto passado e foi adiada.

Leia também:

Governo de SP projeta início do racionamento em abril, diz jornal

Queda – Nenhuma das medidas adotadas pela Sabesp, porém, foi suficiente para estancar a queda do Cantareira, que tinha 23% da capacidade no início da crise e hoje opera com 5,1% relativos à segunda cota do volume morto. As chuvas esperadas pelo governo para esse verão não vieram e, agora, a Sabesp admite a possibilidade de adotar um “rodízio drástico” de apenas dois dias com água e cinco sem.

Publicidade

A medida pode ser tomada caso a companhia seja obrigada a reduzir a retirada do Cantareira para 10.000 ou 12.000 litros por segundo. Em janeiro, o índice é de 14.700 litros, ante 29.000 litros por segundo antes da crise.

Em nota, a Sabesp informou na quarta-feira que “as medidas adotadas pela companhia desde o início da crise garantiram uma redução no consumo de água na região do Cantareira muito superior aos 4.200 litros por segundo previstos no rodízio. Segundo a empresa, neste mês, a redução da pressão e o bônus resultaram em uma diminuição de 10.400 litros por segundo.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade