Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Começa a demissão de garis grevistas no Rio

Empresa municipal que administra coleta de lixo informou que cerca de 300 grevistas começariam a ser demitidos na manhã desta terça-feira. Paralisação deixou ruas repletas de lixo desde sábado

Por Daniel Haidar, do Rio de Janeiro
4 mar 2014, 10h58

A Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), empresa municipal que cuida da coleta de lixo no Rio de Janeiro, informou na manhã desta terça-feira que começou a demitir os cerca de 300 garis que, segundo a companhia, desrespeitaram o acordo firmado com o sindicato dos trabalhadores e mantiveram a greve depois das 19h de segunda-feira.

Depois de três dias de greve dos lixeiros, a Comlurb fechou um acordo com o Sindicato dos Empregados das Empresas de Asseio e Conservação do Município do Rio de Janeiro no fim da tarde de segunda-feira, em que garante um aumento salarial de 9%. No entanto, os grevistas dizem que o sindicato não representa a categoria e mantiveram as reivindicações. Está prevista uma nova assembleia dos insatisfeitos para esta terça-feira.

Eles pedem aumento do piso salarial para 1.224, além de adicional por insalubridade, aumento do vale-refeição para 20 reais e outras gratificações. A paralisação dos garis foi declarada ilegal pela Justiça do Trabalho. A pedido da Comlurb, foi concedida uma liminar que determina o imediato retorno ao trabalho, sob pena de multa diária de 25.000 reais para o sindicato.

Continua após a publicidade

O impasse manteve a cidade do Rio de Janeiro repleta de lixo pelas ruas pelo quarto dia consecutivo. Resíduos do dia-a-dia de famílias e empresas se amontoaram pelas calçadas, porque a coleta de lixo deixou de funcionar. O entorno do sambódromo e o Centro do Rio foram áreas em que a sujeira e o mau cheiro mais incomodavam. O excesso de lixo nas vias prejudica moradores, comerciantes e foliões. Além disso, suja a imagem da cidade, que, segundo a prefeitura, recebeu 920.000 turistas para o Carnaval.

O acerto entre Comlurb e sindicato envolveu, além do reajuste, um piso salarial de 874,70 reais mais 40% de adicional de insalubridade, o que totaliza um vencimento inicial de 1.224,70 reais.

Leia também:

Para encerrar greve, prefeitura do Rio dá aumento a garis

Carnaval da sujeira: greve de garis deixa ruas do Rio com lixo acumulado

Manual do folião: encontre seu bloco de rua ideal no Rio

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.