Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sete passos para uma menopausa saudável

Ter bons hábitos de vida pode diminuir em até 80% a intensidade dos sintomas do climatério

Por volta dos 50 anos, uma data marca uma nova fase na vida de uma mulher: a menopausa. Essa etapa, que se caracteriza como o dia da última menstruação e se consolida após um ano sem menstruar, representa o fim do ciclo ovulatório.

​A transição da idade fértil para a infértil traz uma série de sintomas à saúde da mulher. Com bons hábitos de vida, no entanto, é possível fazer uma passagem suave. “Medidas como dieta saudável e atividade física regular podem atenuar os sintomas da menopausa em até 80%”, diz Domingos Mantelli, ginecologista do Hospital e Maternidade Santa Joana, em São Paulo.

As mudanças que preparam o corpo para a menopausa começam a partir dos 40 anos, quando o metabolismo desacelera – fica mais difícil emagrecer, por exemplo. Por volta dos 47 anos, os hormônios estrogênio e progesterona caem gradativamente. Nessa fase, chamada de perimenopausa, podem se manifestar mais de 200 sintomas, como ondas de calor, irritabilidade, diminuição da lubrificação vaginal, ressecamento da pele e irregularidade do ciclo menstrual. Dentre eles, o mais usual são as ondas súbitas de calor, chamadas de fogacho, consequência da baixa do estrogênio que descontrola a região do cérebro responsável pelo controle da temperatura corporal.

Leia também:

Pesquisa pode ajudar a identificar melhor os sintomas que antecedem a menopausa

Crises de enxaqueca aumentam na menopausa, diz estudo

O período chamado de climatério, que começa na perimenopausa e se prolonga à pós-menopausa (até os 65 anos), deve ter acompanhamento médico. “Com a baixa do estrogênio, a mulher fica mais exposta a males como colesterol alto, osteoporose e doenças cardiovasculares. Por isso, ao entrar na perimenopausa, é indispensável fazer um check-up completo”, diz Fabio Laginha, ginecologista e coordenador da Clínica da Mulher do Hospital 9 de Julho, em São Paulo.

Reposição hormonal – A terapia de reposição hormonal, que consiste na reposição de estrogênio e progesterona via pílulas, gel ou adesivos e pode atenuar os sintomas da menopausa, requer cautela. “Esse tratamento deve ser utilizado apenas quando a mulher tem sintomas muito intensos. Além disso, a paciente não pode ter histórico de câncer na família e precisa estar no período da perimenopausa ou menopausa recente”, explica Edilson Ogeda, ginecologista e coordenador do Núcleo de Ginecologia, Obstetrícia e Perinatologia do Hospital Samaritano de São Paulo.

A reposição hormonal também é indicada para mulheres que entram na menopausa precocemente – antes dos 40 anos -, que pode ser desencadeada pelo tabagismo. “Elas irão ficar mais tempo sem a proteção do estrogênio no organismo, o que pode ser ruim para a sua saúde”, diz Fabio Laginha.

Fontes: Domingos Mantelli, ginecologista do Hospital e Maternidade Santa Joana, em São Paulo; Edilson Ogeda, ginecologista e coordenador do Núcleo de Ginecologia, Obstetrícia e Perinatologia do Hospital Samaritano de São Paulo; Fabio Laginha, ginecologista e coordenador da Clínica da Mulher do Hospital 9 de Julho, em São Paulo; Ivaldo Silva, ginecologista e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).