Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Justiça mantém prisão de três auditores em SP

Grupo é investigado por participar de um esquema que desviou até 500 milhões de reais da prefeitura; um fiscal deve ser solto no domingo após assinar delação premiada

Por Felipe Frazão
1 nov 2013, 17h14

A Justiça de São Paulo prorrogou por mais cinco dias a prisão preventiva de três auditores acusados de desviar 500 milhões de reais da prefeitura de São Paulo. Os auditores fiscais Eduardo Horle Barcellos, Carlos Augusto di Lallo do Amaral e Ronilson Bezerra Rodrigues ainda não prestaram depoimento ao Ministério Público Estadual, que investiga o esquema de fraudes na cobrança do Imposto Sobre Serviços (ISS).

O quarto acusado, o fiscal Luis Alexandre de Magalhães, deve ser liberado neste domingo, quando encerra o prazo da prisão preventiva decretada na quinta-feira, após fazer acordo de delação premiada com os promotores. O advogado Mario Ricca, que defende Magalhães, disse que aguarda o alvará de soltura para retirá-lo da prisão. Ele nega que os carros importados apreendidos sejam de Magalhães. “Tudo o que ele declarou nada acrescentou à investigação, seu depoimento não trouxe fatos nem nomes novos. Simplesmente foram apresentados alguns documentos”, disse Ricca.

O promotor Roberto Bodini disse que tentou ouvir Amaral nesta sexta-feira, mas não conseguiu porque o auditor estava sem advogado.

O advogado Márcio Sayeg, que defende Ronilson Rodrigues, criticou a prisão do cliente. “A prisão é abusiva e desnecessária. Ele tem residência fixa, empresa e é servidor da prefeitura.”

Continua após a publicidade

Leia também:

Auditor preso pregava combate a fraudes no TCM e na OAB

Dinheiro de propina era entregue na sede da prefeitura

Empresas – Segundo a investigação, os auditores montaram suas próprias empresas – a maioria de fachada – para negociar imóveis adquiridos por eles com dinheiro de propina e multiplicar o patrimônio.

Continua após a publicidade

O promotor confirmou que os representantes da empresa Brookfield reconheceram o pagamento de 4 milhões de reais em propina em depoimento nesta sexta. “Eles confirmaram o que a quebra de sigilo bancário já havia detectado. Os depósitos que eram feitos em nome da empresa ALP [Administradora de Bens] eram provenientes das SPEs [Sociedade de Propósito Específico] de responsabilidade da Brookfield”, afirmou Bodini. “Eles não tinham como negar e confirmaram a existência do esquema. “

Segundo o promotor, a Brookfield alegou que “foi obrigada a pagar” diante de ameaça de que seu empreendimento não seria liberado. “Na visão deles, eles defendiam que não deviam nada no final da obra, que o ISS já havia sido recolhido durante o empreendimento”, disse Bodini.

O promotor afirmou que a empresa terá agora de provar sua versão. “É uma versão, eles vão ter todas as condições de demonstrar que nada deviam e que foram achacados.”

Os três auditores detidos ocuparam cargos de confiança na gestão do ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD), lotados na Secretaria de Finanças: Ronilson Bezerra Rodrigues (ex-subsecretário da Receita Municipal, exonerado em dezembro de 2012), Eduardo Horle Barcellos (ex-diretor do Departamento de Arrecadação e Cobrança, exonerado a pedido em janeiro de 2013), Carlos Augusto di Lallo Leite do Amaral (ex-diretor da Divisão de Cadastro de Imóveis, exonerado em fevereiro de 2013).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.