Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ex-ministros tentam abocanhar estatais e autarquias

Descartados do primeiro escalão por Dilma, César Borges, Miriam Belchior, Neri Geller e Paulo Sérgio Passos buscam controle dos maiores orçamentos

Por Da Redação
6 jan 2015, 10h40

Deixados de lado na reforma ministerial do segundo governo Dilma Rousseff, ex-ministros tentam se viabilizar para ocupar cargos em estatais e autarquias controladas pelo Palácio do Planalto. Pelo menos quatro deles buscam se recolocar na Esplanada: César Borges (ex-Portos), Miriam Belchior (ex-Planejamento), Neri Geller (ex-Agricultura) e Paulo Sérgio Passos (ex-Transportes).

Geller disputa o comando da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), cujo orçamento para 2015 soma 3 bilhões de reais. A empresa é responsável por leilões de compra de alimentos e o repasse de subsídios a agricultores familiares. A capilaridade das ações da empresa é o que torna a estatal cobiçada por diversos partidos. Não é à toa que a Conab está loteada atualmente entre PT, PMDB, PROS e PTB.

Leia também:

Agora ministro, Kassab inventa o ‘apoio divergente’

‘Não aceitarei provocação’, diz Kátia Abreu em posse

Continua após a publicidade

Ministro dos Transportes diz não se preocupar com a Lava Jato

Ele deixou o ministério depois que Dilma optou pela senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) para comandar a Agricultura. Geller agora quer o apoio do seu partido para presidir a Conab. A sigla ocupa a diretoria menos expressiva da companhia atualmente, a de Recursos Humanos, e busca espaços mais importantes na estatal. Os peemedebistas estão de olho na Diretoria de Operações e Abastecimento, controlada hoje pelo PROS.

O ex-ministro, contudo, terá de negociar com Kátia Abreu para se fortalecer para a vaga. Nos bastidores, comenta-se que Geller e Kátia não se falam. A relação entre eles esfriou depois da indicação da peemedebista para o ministério. Geller chegou a faltar na posse de Kátia como presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), no dia 15 de dezembro.

Já César Borges (sem partido) é cotado para administrar a Empresa Brasileira de Logística (EPL), criada pelo governo para desenvolver projetos de infraestrutura. Ele foi ministro dos Transportes e dos Portos no primeiro mandato Dilma, mas perdeu força no PR, sigla que abandonou no ano passado.

Continua após a publicidade

O ex-titular de Transportes Paulo Sérgio Passos (PR) pode ir para o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Ele negocia a mudança com o PR, do qual é filiado. Em 2014, o Dnit administrou 13,3 bilhões de reais do orçamento global de 20,7 bilhões de reais destinado aos Transportes.

A ex-ministra do Planejamento Miriam Belchior (PT) também deve assumir um posto estratégico fora da Esplanada dos Ministérios. Ela é cotada para a Caixa Econômica Federal, em substituição ao atual presidente do banco, o baiano Jorge Hereda, indicado pelo atual ministro da Defesa, Jaques Wagner (PT).

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.