Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
CLIQUE E RECEBA A REVISTA EM CASA A PARTIR DE R$14,90/MÊS Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90

Conmebol, CBF e governo Bolsonaro: um triângulo na pandemia

Costurada às pressas, inclusão do Brasil como sede da Copa América no lugar da Argentina envolveu cartolas e políticos e recebeu severas críticas

Por Luiz Felipe Castro, Alexandre Senechal Atualizado em 31 Maio 2021, 23h10 - Publicado em 31 Maio 2021, 14h24

“Definido o mascote da ‘Cepa América’: será o passarinho cloroquito”, diz um dos diversos protestos em forma de brincadeira nas redes sociais. Mesmo anestesiado diante de tanta tragédia, o brasileiro segue sua rotina de buscar algum refúgio no humor, ainda que o motivo seja uma autêntica piada de mau gosto. O anúncio de que o Brasil, um dos epicentros da pandemia de novo coronavírus no mundo, receberá novamente a Copa América, após as desistências das sedes originais Colômbia e Argentina, causou espanto, mas não chegou a surpreender. A mudança anunciada nesta segunda-feira, 31, tem tripla paternidade: Conmebol, CBF e governo de Jair Bolsonaro.

Assine a revista digital no app por apenas R$ 8,90/mês

Se havia qualquer dúvida de envolvimento federal no tema, o presidente da entidade sul-americana, o paraguaio Alejandro Domínguez, fez questão de saná-la. “A Conmebol agradece ao presidente Jair Bolsonaro e sua equipe, assim como à Confederação Brasileira de Futebol por abrir as portas do país ao que hoje em dia é o evento esportivo mais seguro do mundo. A América do Sul brilhará no Brasil com todas suas estrelas”, afirmou, em nota, a entidade, que tentou vender a ideia de uma “nova Conmebol” após a prisão de dezenas de seus dirigentes, em 2015.

Rapidamente, uma conclusão óbvia tomou as redes sociais. “E-mail da Pfizer = meses para responder; e-mail da Conmebol = resposta imediata.” Não é modo de dizer. De fato, até a manhã desta segunda, transferir o torneio para o Brasil, sede da última edição de 2019, não estava nos planos. Mandá-lo para o Chile, Estados Unidos ou mesmo cancelá-lo apareciam como possibilidades mais viáveis. Como evidencia a mensagem da Conmebol, no entanto, CBF e Bolsonaro entraram em campo e salvaram a pátria dos cartolas.

Recentemente, Alejandro Domínguez contou com a ajuda de outro governo, o do Uruguai, que intermediou o acordo com a China que possibilitou a compra de vacinas para os atletas e comissões técnicas, o controverso fura-fila da Covid, um trato que incluiu até camisas autógrafas por Lionel Messi em um animado churrasco em Montevidéu. Semanas depois, a capital uruguaia foi confirmada como sede das finais da Libertadores e da Copa Sul-Americana, para surpresa daqueles que ainda acreditam que esporte e política não se misturam.

Muitos devem se questionar: por que não cancelar uma competição tão desinteressante, disputada três vezes nos últimos cinco anos, em um cenário tão calamitoso? A resposta é simples e vem em forma de cifrões. Para as confederações participantes, o torneio rende no mínimo 4 milhões de dólares (e mais 10 milhões de dólares ao campeão). Para a Conmebol, os valores com publicidade e direitos de transmissão giram em torno de 100 milhões de dólares. No Brasil, a transmissão em TV aberta será realizada pelo SBT.

  • Como se não bastasse topar receber dez delegações e colocar em risco estrelas do porte de Messi, Suárez e Neymar, além de milhões de brasileiros, tudo isso com duas semanas para organizar toda a logística, os três pais da ideia cogitam até receber público nos estádios, cujas sedes ainda não estão definidas – Brasília, é claro, certamente seria uma delas. A medida serve como um respiro (ou mera cortina de fumaça) tanto para o presidente da CBF, Rogério Caboclo, que, acuado por denúncias de gestão atrapalhada, poderá negociar tréguas com dirigentes regionais, quanto para Bolsonaro, que se acostumou a buscar apoio em estádios pelo país.

    A decisão já começa a cobrar preço político. Os governos de Pernambuco e Rio Grande do Sul já se posicionaram contra a realização do torneio. A CBF cancelou a coletiva dos atletas na Granja Comary para evitar maiores constrangimentos. É possível que torcedores, clubes e até os quase sempre alienados jogadores se unam contra o absurdo. O recente fiasco da Superliga Europeia demonstrou a força dos verdadeiros protagonistas do jogo, em um histórico tapa na cara dos engravatados da bola. Qualquer que seja o destino da Copa América, no entanto, as intenções dos dirigentes envolvidos já foi escancarada. Enquanto isso, famílias choram a perda de 460.000 vítimas da Covid no Brasil.

    Continua após a publicidade
    Publicidade