Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Enteada de Picasso denuncia roubo de 407 obras do pintor

Empresa que administra os direitos dos herdeiros havia alertado há dois anos que uma galeria estava negociando desenhos do pintor

Por Da Redação 12 jul 2013, 12h23

Catherine Huntin-Blay, filha de Jacqueline Picasso e enteada do gênio espanhol, disse que 407 obras do pintor foram roubadas nos últimos anos, incluindo desenhos, litografias e catálogos. A mulher, de 65 anos, disse ao jornal Le Parisien, em matéria publicada nesta sexta-feira, que em 2011 já havia advertido sobre o desaparecimento de algumas das peças que herdou da mãe, uma das mulheres de Picasso. Na ocasião, Catherine foi alertada pela empresa que administra os direitos dos herdeiros do artista a respeito de uma galeria que havia colocado desenhos do pintor à venda. Esses desenhos, disse a empresa, em acusação depois confirmada, pertenciam à enteada do artista.

Após se dar conta dos furtos, Catherine disse que passou a suspeitar “de todo o mundo”. De acordo ela, parte da sua herança foi roubada entre 2005 e 2007. Segundo o jornal Le Parisien, Sylvie Baltazart-Eon, de 58 anos, que é filha de Aimé Maeght, ex-marchand de Picasso, também teve obras roubadas. O curioso é que ambas as vítimas moram na mesma região. O principal suspeito, até aqui, é Freddy Munchenbach, um “homem de confiança” que fazia serviços tanto na casa de Sylvie quanto na de Catherine. Ao todo, Sylvie e Catherine tiveram mais de 600 obras roubadas.

Leia também:

Sobre Imagens: 40 anos da morte do artista espanhol Pablo Picasso

VEJA Meus Livros: ‘Guernica’, de Picasso, e a poética da opressão

Continua após a publicidade

De acordo com a investigação citada pelo jornal parisiense, Munchenbach passava as obras a Toni Celano, um litógrafo detido na Itália em janeiro. Caberia a ele comprar e revender as peças à galeria Belle et Belle, da capital francesa. Na trama, também aparece Richard P., eletricista e amigo de Munchenbach, que emoldurou e exibiu em sua casa litografias originais de Miró e Francis Bacon. No total, segundo o Parisien, além das obras de Picasso, o grupo teria roubado ainda, das duas mulheres, 265 estampas de Joan Miró, Kandinsky e Antoni Tàpies, além de esculturas de Giacometti e Eduardo Chillida.

A enteada de Picasso revelou ao jornal que só conseguiu recuperar 22 obras, mas que a investigação continua: “Não estou a par de tudo. Os agentes da brigada contra roubo são encantadores e sabem muito de arte. Tenho sorte de ter fotografado tudo antes do roubo”. Os 407 desenhos e catálogos de Picasso que fazem parte da coleção poderiam alcançar um valor entre 1,3 milhão de dólares e 2,6 milhões de dólares.

Leia ainda:

‘Picasso oriental’ tem tela vendida por mais de US$ 10 milhões

Ateliê onde Picasso pintou ‘Guernica’ é alvo de disputa

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)