Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

ABL entra no processo contra censura de biografias

Por Da Redação
4 nov 2013, 17h16

A Academia Brasileira de Letras (ABL) vai entrar nesta semana como �amicus curiae� no processo movido pela Associação Nacional de Editores de Livros (Anel) no Supremo Tribunal Federal contra a censura prévia às biografias. Isso significa que a ABL, mesmo não fazendo parte do caso, voluntaria-se a oferecer informações que possam ajudar a corte a tomar sua decisão.

Em vídeo, Procure Saber fala, fala e não diz nada

Ninguém é dono da verdade’, diz Ivan Lins sobre biografias

Na televisão, Paula Lavigne se diz vítima de ‘bullying’

Com isso, a entidade fará parte da ação e se manifestará formalmente a favor da tese da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) nos autos. Ela também vai se manifestar quando a ação for a julgamento pelo plenário do STF. O Instituto Histórico e Geográfico é outra instituição que já havia se voluntariado. A iniciativa foi apoiada pelos imortais em votação.

Chico Buarque, sobre biografias: ‘Posso ter me precipitado’

Chico Buarque pede desculpas, mas debocha do biógrafo de Roberto Carlos

A entrada da ABL no caso demonstra como os editores estão se reforçando na briga pela Lei das Biografias, como está sendo chamado o projeto de lei do deputado federal Newton Lima (PT-SP), em tramitação na Câmara. Já o lado oposto, formado essencialmente pela associação Procure Saber, enfrenta uma série de discussões internas. Em sua coluna publicada neste domingo no jornal O Globo, Caetano Veloso, um dos integrantes do grupo — ao lado de Roberto Carlos, Gilberto Gil, Chico Buarque e outros — criticou publicamente a atitude de Roberto, que “só apareceu agora, quando da mudança de tom” na discussão sobre as biografias.

‘Ninguém é dono da verdade’, diz Ivan Lins sobre biografias

Na televisão, Paula Lavigne se diz vítima de ‘bullying’

Ele se refere à entrevista que Roberto concedeu ao Fantástico na semana retrasada, quando declarou ser a favor das publicações sem autorização prévia. “RC só apareceu agora, quando da mudança de tom. Apanhamos muito da mídia e das redes, ele vem de Rei. É o normal da nossa vida. Chico era o mais próximo da posição dele; eu, o mais distante”, escreveu Caetano.

Continua após a publicidade

Caetano afirmou também que o advogado de Roberto, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, tido como novo porta-voz e que sugeriu o fim da Procure Saber, “não fala oficialmente pela associação”. “Bem, o mínimo que posso dizer é que justamente meu desprezo pela ideia de cuidar de minha imagem como quem a programa para obter aprovação é o mesmo que me leva a tender para a liberação das biografias e a olhar com desconfiança para o conselho do especialista”, escreveu Caetano.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.