Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Luiz Fux: Eleições podem até ser anuladas por causa de ‘fake news’

Presidente do TSE participou do fórum Amarelas ao Vivo, em SP; ele cobrou a participação da sociedade para evitar o compartilhamento de notícias falsas

Se ficar comprovado que notícias falsas beneficiaram um candidato a ponto de garantir sua vitória, as eleições do Brasil podem chegar ao extremo de ser anuladas. A avaliação é do ministro Luiz Fux, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, no fórum Amarelas ao Vivo, promovido por VEJA, com o tema “Como as redes sociais e as fake news afetarão as eleições, o Brasil e você”. O ministro foi entrevistado nesta terça-feira pelo redator-chefe da revista Policarpo Junior.

Segundo Fux, a lei brasileira tem mecanismos para aplicar essa regra. “A legislação prevê coibir propagandas abusivas. Uma propaganda que visa destruir o candidato alheio configura um abuso de poder que pode levar à cassação.” Para que o processo eleitoral não chegue a esse ponto, o ministro ressaltou que o TSE montou um comitê, com participação da Polícia Federal, do Ministério Público e da Agência Brasileira de Inteligência para impedir a proliferação de notícias falsas.

“As fake news acabam contaminando o ambiente politico e ferindo de morte o principio democrático. O voto só pode ser consciente se for antecedido da informação exata sobre seu candidato”, disse o ministro. Fux também mencionou que, em comparação com os Estados Unidos, a liberdade de expressão pode ser mais relativizada no Brasil.

“O Brasil é um país que também privilegia a liberdade de expressão. Diferentemente de outros países, aqui há medidas judiciais de prevenção e repressão. No TSE nós eligimos uma estrutura para agirmos preventivamente e repressivamente”, disse. Ele destacou também o papel da imprensa nesse processo e cobrou o cidadão para que cheque as notícias junto a fontes de informação profissional para evitar que as fake news se espalhem.

Ficha Limpa

Perguntado sobre as chances de um candidato condenado em segunda instância concorrer, ainda que não tenha sido mencionado o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro Fux reconheceu que há uma possibilidade. “Se o Supremo vier a conceder uma liminar que permita o registro, o TSE tem de conceder”. Fux, entretanto, ressaltou que a aplicação da Lei da Ficha Limpa é, junto ao combate às fakes news, a prioridade da corte eleitoral.

Fux preside o Tribunal Superior Eleitoral até agosto, quando se encerra seu mandato de quatro anos na corte — ele será substituído pela ministra Rosa WeberEntre os objetivos anunciados quando tomou posse estava reforçar a força-tarefa criada em 2017, que estuda métodos legais para conter a proliferação de notícias falsas e a atuação de robôs na internet, além de encontrar os responsáveis por sua disseminação. Funcionários do TSE já se reuniram com representantes do Google e Facebook para elaborar estratégias.

Veja também

Pesquisa exclusiva feita a pedido de VEJA pela consultoria Ideia Big Data, com 2 004 pessoas ouvidas por telefone entre 9 e 10 de janeiro, mostra que 83% dos entrevistados temem compartilhar notícias falsas em suas redes sociais e grupos de WhatsApp.

Depois de analisar 534 notícias comprovadamente falsas divulgadas por esses sites, VEJA constatou que os alvos prediletos das mentiras são, pela ordem, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o presidente Michel Temer (PMDB) e o juiz Sergio Moro.

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) aparece em sétimo lugar na lista dos mais citados em notícias falsas, mas fica em primeiro quando se computa o conteúdo positivo das mentiras. Cerca de 70% das notícias falsas a seu respeito servem para engrandecer sua biografia.

Amarelas ao Vivo

A segunda edição do fórum Amarelas Ao Vivo ocorreu nesta terça-feira, 24, no Teatro Santander, em São Paulo. O evento é uma versão de palco das tradicionais Páginas Amarelas de VEJA.

Antecessor de Luiz Fux na presidência do TSE, Gilmar Mendes falou com André Petry, diretor de redação de VEJA, sobre ser um dos alvos preferenciais das lorotas que brotam e se espalham na internet. Levantamento exclusivo publicado por VEJA em janeiro mostra que o ministro é o quarto maior alvo de notícias falsas no meio político-jurídico — ele só perde, nesta ordem, para Lula, Temer e Moro.

A possível contaminação das votações por notícias falsas também foi o tema abordado pela colunista Dora Kramer na conversa com Pablo Ortellado, coordenador do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação da Universidade de São Paulo. Com doutorado pela mesma universidade, ele se tornou referência em pesquisas sobre fake news na política brasileira.

 

Jaime Durán Barba, consultor político e professor da George Washington University, foi entrevistado por Thaís Oyama, redatora-chefe de VEJA, sobre a estratégia digital na vitoriosa campanha do presidente da Argentina, Mauricio Macri, em 2015.

O colunista Ricardo Noblat conduziu a entrevista em que o CEO e estrategista político Guillaume Liegey falou sobre como o presidente da França, Emmanuel Macron, venceu as fake news em sua campanha, em 2017.

Bia Granja, cofundadora do YOUPIX, conversou com o editor especial Daniel Bergamasco sobre como nascem e se espalham virais na internet brasileira.

O redator-chefe Fábio Altman entrevistou o jornalista Ricardo Boechat sobre a relevância do jornalismo profissional em tempos de profusão de boatos e notícias mentirosas.

O publicitário e fundador do Grupo ABC, Nizan Guanaes, ficou frente a frente com Mauricio Lima, redator-chefe e titular da coluna Radar, em conversa sobre como proteger marcas e negócios diante do poder fulminante das redes sociais e das notícias falsas que veiculam.

A editora Adriana Dias Lopes conversou com o infectologista David Uip sobre as perigosas e cada vez mais frequentes notícias falsas sobre saúde.

Acioli Cancellier de Olivo falou ao colunista Augusto Nunes sobre acusações levianas e o suicídio de seu irmão, o ex-reitor da UFSC Luiz Carlos Cancellier de Olivo, em 2017.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    Interessante que jamais se cogitou em punir candidatos por mentirem descaradamente. Aí é permitido.

    Curtir

  2. Vejam a entrevista do Durán Barba, aqui mesmo na Veja. Muito mais realista. Notícias falsas não são invenção nova. Sempre existiram em campanhas eleitorais. A diferença é que quem difundia tais notícias era a imprensa, através de matérias pagas e jornalistas comprados. O pânico recente é motivado pela perda desse monopólio. E, que eu lembre, nunca houve uma eleição anulada por ter um candidato se beneficiado de notícias falsas plantadas na imprensa. Se as “fake news” se propagam mais rápido na internet, também são detectadas mais rápido e o desmentido também pode se propagar mais rápido, diferente do que acontecia antes quando a imprensa detinha total controle do do que convinha ou não chegar ao público. Mas o combate oficial às notícias falsas deve, sim, ser aperfeiçoado e intensificado, pelo bem da democracia.

    Curtir

  3. José Antonio da Silva

    Se o candidato eleito for de esquerda, nem vão se lembrar dessa possibilidade, mas se for de direita, vão passar a pente fino como estão fazendo nos eua.

    Curtir

  4. Dalton Bittencourt Ferreira

    Que pérola……se não sabe o que falar por que não te calas?

    Curtir

  5. A mídia e pessoas/ partidos de esquerda diariamente espalham mentiras e robotizam pessoas contrarias as opiniões e ideologias deles. Será que se um candidto de esquerda ganhar na base de fake news havera alguma punição? Ou isso só vale para a direita que dizem ser a “propagadora” dessas mentiras!?

    Curtir

  6. willian silva

    Deixa ver se entendi,eu com nome sujo nao arrume emprego e nem abro uma conta agora um bandido com 08 PROCESSOS E PRESO pode se candidatar a presidencia do Brasil, vcs estao tirando neh?

    Curtir

  7. Fake News é enxaqueca. No caso pra o ano vem coisa pior, malandragem! Os analistas são utilitarista. Os comentário são mais furados que queijo suíço.

    Curtir

  8. Sérgio Carneiro

    Vou tentar entender. Fake News pode anular uma eleição por espalhar mentiras, e com isso tirar a consciência do eleitor, mas mentir descaradamente nos horário gratuito pode.
    Foi isso mesmo que acabei de ler?

    Curtir