Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Interpol atende Argentina e emite alerta de prisão contra ministro do Irã

Ministro do Interior do Irã, Ahmad Vahidi, é procurado pelo atentando à bomba na Associação Mutual Israelita Argentina, em Buenos Aires, em julho de 1994

Por Paula Freitas Atualizado em 8 Maio 2024, 12h59 - Publicado em 24 abr 2024, 18h40

O Ministério das Relações Exteriores da Argentina disse nesta terça-feira, 24, que a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) atendeu ao pedido argentino e emitiu alerta vermelho, quando o acusado é procurado por homicídio qualificado e danos, para a prisão do ministro do Interior do Irã, Ahmad Vahidi, pelo atentando a bomba na Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA), em Buenos Aires, em julho de 1994. O ataque é considerado o mais mortal da história da Argentina, com 85 vítimas e centenas de feridos.

Em resposta, o porta-voz do ministério iraniano, Nasser Kanaani, disse que se trata de uma “medida desajeitada, desprovida de qualquer base legal e judicial”, de forma a impedir o “curso da investigação para descobrir a verdade”. Ele também “condenou veementemente a reiteração de pedidos ilegais baseados em mentiras” e destacou que o Irã “apoia que se faça justiça e que se persiga aqueles que, destruindo documentos, causaram sérias irregularidades no desenvolvimento do caso AMIA e que evitaram um castigo por esse incidente”.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, elogiou nesta quarta-feira a solicitação vinda de Buenos Aires e agradeceu ao presidente da Argentina, Javier Milei, e sua ministra das Relações Exteriores, Diana Mondino, pela luta na “emissão de uma ordem de prisão pelo ataque contra a comunidade judaica”.

“Um pedido que fortalece as comunidades judaicas e as famílias das vítimas e envia uma mensagem clara: o mundo livre está determinado a deter o regime terrorista iraniano e (o seu líder supremo, o aiatolá Ali) Khamenei”, escreveu no X, antigo Twitter.

Continua após a publicidade

Caso AMIA

O aviso da Interpol ocorre quase duas semanas após o veredito Câmara Federal de Cassação Penal da Argentina, o mais alto tribunal criminal do país, que culpabilizou o Irã pelo ato terrorista. A deliberação também atribuiu o ataque contra a Embaixada de Israel na Argentina, em 1992, que deixou 22 mortos, ao país do Oriente Médio.

“Foi mais uma das ameaças concretas e projetadas no futuro contra o Ocidente, estrategicamente concebida para impedir a sua ‘integração’, destruir a sua moralidade e minar a sua resiliência na conservação dos valores judaico-cristãos e democráticos fundacionais como a igualdade perante o direito, respeito às diferenças, laicidade, liberdade de consciência e expressão, entre outros”, afirmou o texto da decisão.

Segundo a decisão dos juízes, os episódios procuravam cumprir “um desígnio político e estratégico” do Irã. A acusação contra Teerã, que nega a participação, é antiga. Embora a Interpol já tenha emitido mandados de prisão, o Irã impede a extradição dos culpados para a Argentina. Ao todo, sete iranianos e libaneses estão na lista vermelha da Interpol por participação no atentado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.