Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Coreia do Sul declara fim da epidemia do vírus MERS

Há 23 dias sem novas infecções, o primeiro-ministro sul-coreano declarou que o país está livre da doença. A OMS ressalta, contudo, que é necessário esperar 28 dias sem novos casos para oficializar o fim do surto

Por Da Redação 28 jul 2015, 15h47

Nesta terça-feira, a Coreia do Sul declarou o fim do surto de MERS (Síndrome Respiratória do Oriente Médio). Durante o pronunciamento, o primeiro-ministro sul-coreano Hwang Kyo-ahn afirmou que o país está há 23 dias sem novas infecções e que a população pode parar de se preocupar com a doença.

No entanto, para a Organização Mundial da Saúde (OMS), são necessários 28 dias – o que corresponde ao dobro do período de incubação do vírus – sem novos casos antes de oficializar o fim do surto. O último caso de MERS na Coreia do Sul foi confirmado no dia 4 de julho.

O primeiro-ministro sul-coreano afirmou que, apesar da declaração, as precauções contra novas infecções, incluindo a triagem nos aeroportos, continuarão até que a situação se normalize. Ele também se desculpou pela reação lenta das autoridades no combate à doença.

Leia também:

OMS alerta para epidemia do vírus MERS

Sobe para 126 o número de infectados por novo coronavírus na Coreia do Sul

O governo da Coreia do Sul foi acusado de reagir lentamente à crise, já que a maioria das infecções aconteceu em centros de saúde que não estavam preparados adequadamente para uma doença contagiosa. O coronavírus, originário do Oriente Médio, chegou ao país no dia 26 de maio, trazido por um homem de 68 anos que havia viajado para a Arábia Saudita. Desde então, 186 pessoas foram infectadas e 36 morreram.

O Mers é considerado um “primo”, mais mortal, mas menos contagioso, do vírus responsável pela Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars) que, em 2008, fez cerca de 800 mortos em todo o mundo. Como o Sars, o MERS provoca infecção pulmonar e os afetados têm febre, tosse e dificuldades respiratórias. Por enquanto, não existe um tratamento preventivo para a doença. De acordo com a OMS, o vírus apresenta uma taxa de mortalidade de quase 35%.

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês