Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Visitas da polícia a cativeiro levantam suspeitas nos EUA

Policiais foram chamados 2 vezes a local onde mulheres foram mantidas reféns

Por Da Redação
8 Maio 2013, 10h00

Enquanto as famílias das três mulheres que passaram 10 anos sequestradas em Cleveland (EUA) comemoravam o seu resgate na terça-feira, começaram a surgir perguntas sobre por que a polícia foi chamada à casa ao menos duas vezes nos últimos anos e nunca entrou lá.

Leia também:

Leia também: Fim de sequestro em Ohio renova esperanças de pais de Madeleine

Continua após a publicidade

As mulheres – Amanda Berry, Gina DeJesus e Michelle Knight – desapareceram separadamente há uma década e foram descobertas em uma casa de oito quartos em um bairro de latinos da cidade. Elas foram descobertas quando Amanda Berry pediu ajuda a um vizinho, Charles Ramsey, que a ajudou a sair, ligou para a polícia e virou um herói nacional. A casa pertencia a Ariel Castro, de 52 anos, um ex-motorista de ônibus escolar que foi preso junto a seus dois irmãos, Pedro Castro, de 54 anos, e Onil Castro, 50.

Depois que a história tomou grandes proporções no país, como um dos raros casos de sequestro com finais extraordinários, os vizinhos começaram a relatar fatos sobre Castro. Eles contaram que, há vários anos, uma mulher nua foi vista rastejando pelo jardim e que, em 2011, eles ouviram uma surra. A polícia compareceu aos chamados nas duas vezes, mas nunca chegou a entrar na casa. Além disso, investigadores foram ao local em janeiro de 2004, quando duas das garotas reféns desapareceram, já que Ariel Castro era motorista de ônibus escolares.

Saiba mais:

Saiba mais: Vizinho que ajudou sequestrada vira herói na internet

“Eles bateram na porta, mas não conseguiram fazer qualquer contato com quem estava dentro da casa”, disse o prefeito de Cleveland, Frank G. Jackson. “Eles não tinham indicações de que algum dos vizinhos ou testemunhas tinham alguma informação sobre o que aconteceu lá”.

Segundo a agência de notícias Reuters, Castro nasceu em Porto Rico e tocava baixo em bandas de música latina da região. Os vizinhos contaram que, às vezes, ele estacionava o seu ônibus escolar na frente da casa na hora do almoço e levava várias sacolas de comida “fast food” para dentro. Em 2005, Castro foi acusado de atacar sua ex-mulher, Grimilda Figueroa, que teve costelas quebradas e os dois ombros deslocados. As informações são do jornal The Washington Post.

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.