Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Revelados os últimos 54 minutos de conversa no avião desaparecido

Especialistas consultados pelo jornal britânico 'The Telegraph' apontam aspectos intrigantes do histórico de mensagens

Por Da Redação - 21 mar 2014, 21h33

Os últimos 54 minutos de conversas entre os pilotos do avião desaparecido da companhia Malaysia Airlines e os controladores de voo no solo foram revelados nesta sexta-feira pelo jornal britânico The Telegraph. As transcrições registram a última mensagem, “tudo bem, boa noite”, dita pelo copiloto Fariq Abdul Hamid em resposta à informação de que a comunicação passaria dos controladores de Kuala Lumpur, capital da Malásia, para os funcionários da cidade vietnamita de Ho Chi Minh. Analistas avaliaram que a sequência das comunicações indica um voo “perfeitamente rotineiro”, a não ser por duas passagens que deixaram os especialistas intrigados.

Leia também:

MH370: FBI ajudará a recuperar dados de simulador de voo

Avião desaparecido pode ter voado baixo para driblar radares

Publicidade

Tailândia detectou avião não identificado após desaparecimento do voo MH370

A primeira comunicação que causou estranhamento partiu do cockpit à 1h07 da manhã, informando que o avião voava a uma altitude de 35.000 pés. Para os especialistas, essa mensagem era desnecessária, uma vez que o dado já havia sido informado seis minutos antes. Essa mensagem foi captada em um momento crucial do histórico do voo MH370. Foi exatamente à 1h07 que o equipamento conhecido como Acars transmitiu os últimos dados sobre a aeronave antes de ficar desativado. O transponder foi desligado à 1h21, mas investigadores acreditam que o Acars foi desativado antes do ‘boa noite’ de Hamid, registrado à 1h19. (Continue lendo o texto)

Outro aspecto suspeito, na opinião dos especialistas consultados pelo jornal britânico, está relacionado ao momento em que o avião perdeu contato com os radares. A última mensagem de ‘boa noite’ foi enviada justamente quando o controle de tráfego passou da Malásia para o Vietnã. “Se eu fosse roubar uma aeronave, esse seria o ponto em que eu o faria”, disse Stephen Buzdygan, um ex-funcionário da British Airways que já pilotou modelos Boeing-777. “Pode existir um curto espaço sem monitoramento entre os controladores de voo. Este era o único momento durante todo o voo quando eles não poderiam ser vistos por quem estivesse no solo”, explicou.

Leia mais:

Publicidade

​Saiba como o avião da Malaysia Airlines pode ser localizado

‘Não é possível um piloto desligar todos os sistemas de comunicação’, diz especialista

Os novos detalhes em torno das comunicações alimentam as teorias de que a aeronave pode ter sido alvo de um sequestro ou sabotagem enquanto estava no ar. Para os especialistas, a transcrição das mensagens indica que, se os pilotos estavam envolvidos em um plano criminoso, eles souberam esconder bem suas reais intenções. (Continue lendo o texto)

Mapa divulgado pelo governo australiano indica a região onde os possíveis destroços do voo MH370 foram avistados por satélite
Mapa divulgado pelo governo australiano indica a região onde os possíveis destroços do voo MH370 foram avistados por satélite VEJA

Buscas – O segundo dia de buscas na região em que satélites australianos flagraram possíveis destroços do avião flutuando no oceano foi concluído nesta sexta-feira sem avanços, mesmo com o deslocamento de navios e aviões de diversos países para a região. As autoridades australianas especulam que os objetos fotografados podem ter afundado. Especialistas, no entanto, advertem que as peças podem não ter nenhuma ligação com a aeronave desaparecida. De qualquer forma, a operação será retomada neste sábado com navios extras.

Publicidade