Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Marcha contra a imigração reúne milhares na Alemanha

Grupo xenófobo protestou em Dresden contra a 'islamização' da Europa. Em resposta, outros milhares foram às ruas para manifestar apoio aos imigrantes

Por Da Redação
6 jan 2015, 04h38

Um grupo alemão que protesta contra as leis de imigração do país e a “islamização” da Europa conseguiu reunir 18 mil pessoas na cidade de Dresden na noite de segunda-feira. A marcha provocou a reação de dezenas de milhares de alemães, que também foram às ruas, mas para repudiar a mensagem dos manifestantes anti-imigração.

Criticado pelo governo alemão, o grupo xenófobo Patriotas Europeus contra a Islamização do Ocidente (Pegida) tem realizado passeatas semanais desde outubro. A marcha desta segunda em Dresden foi a que contou com a maior adesão até agora. Observado por um grande número de policiais, o grupo agitou bandeiras alemãs e exibiu cartazes contra a lei de asilo político do país e a chegada de novos imigrantes. Os manifestantes se reuniram em uma praça no centro da cidade. Perto do local, um grupo bem menor, cerca de 3 mil pessoas, segundo a rede britânica BBC, demonstrava apoio aos imigrantes.

Leia também: Mais de 3 mil imigrantes morreram no Meditarrâneo em 2014

Em outras cidades, porém, o número de participantes nas manifestações contra a intolerância do Pegida superaram em larga escala a quantidade de simpatizantes do grupo xenófobo. Na capital Berlim, 5 mil pessoas bloquearam a marcha de centenas de membros do Pegida. De acordo com a agência de notícias alemã DPS, 22 mil manifestantes participaram de marchas em repúdio ao Pegida nas cidades de Stuttgart, Hamburgo e Muenster.

Continua após a publicidade

Em Colônia, apenas 250 marcharam contra as leis de imigração, contra milhares de contramanifestantes que foram às ruas. Para mostrar que discorda dos posicionamentos do Pegida, a catedral da cidade apagou as luzes. “Não pensamos nisso como um protesto, mas gostaríamos que os muitos cristãos conservadores que apoiam o grupo pensem no que estão fazendo”, afirmou o deão da catedral, Norbert Feldhoff, à BBC.

Em seu discurso de Ano Novo, a chanceler alemã Angela Merkel criticou o movimento contra a imigração. “Não sigam quem convoca essas manifestações. Seus corações abrigam preconceito e ódio”, afirmou ela. A Alemanha é o país da União Europeia que mais recebe imigrantes, muitos deles muçulmanos refugiados da guerra na Síria.

(Com agência EFE)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.