Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

EUA espionaram Netanyahu, Berlusconi e Ban Ki-moon

Nos documentos obtidos pelo Wikileaks, Benjamin Netanyahu pede a Silvio Berlusconi ajuda para lidar com o governo americano liderado pelo presidente Barack Obama

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 00h14 - Publicado em 23 fev 2016, 07h43

O site Wikileaks publicou na noite desta segunda-feira novos documentos que revelam o alcance da espionagem praticada pela Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA, sigla em inglês). Líderes mundiais como o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu; o ex-primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, e o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, também foram alvos da inteligência americana entre 2007 e 2011.

Em seu site, a organização criada por Julian Assange revelou que a NSA realizou escutas secretas em um encontro entre Ban e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel,que já tinha sido monitorada pelos serviços de inteligência dos EUA em outras ocasiões. O Wikileaks também informou sobre a espionagem americana em uma conversa entre Netanyahu e Berlusconi, assim como em um encontro entre responsáveis de comércio da União Europeia (UE) e do Japão, e em uma reunião privada entre Berlusconi, Merkel e o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy.

Leia também

Grã-Bretanha e EUA espionaram comunicação militar de Israel

Comitê da ONU decide que Assange está “detido arbitrariamente”

Continua após a publicidade

Nos documentos obtidos pelo Wikileaks, Merkel e Ban conversam sobre como lutar contra a mudança climática, Netanyahu pede a Berlusconi ajuda para lidar com o governo dos EUA liderado pelo presidente Barack Obama, e Sarkozy alerta ao ex-primeiro-ministro da Itália sobre os perigos do sistema bancário de seu país. “Será interessante ver a reação da ONU. Se o secretário-geral pode ser um alvo da espionagem dos EUA sem nenhuma consequência, então qualquer um, desde um líder mundial a um varredor de rua, estaria em risco”, disse Assange. Os EUA e os demais governos citados nos documentos ainda não se pronunciaram sobre o caso.

O Wikileaks passou a estampar as manchetes dos jornais entre julho e outubro de 2010 após publicar documentos secretos da guerra do Afeganistão e da Segunda Guerra do Iraque, a partir de vazamentos fornecidos pela militar americana Chelsea Manning.

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.