Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

China cobra explicações dos EUA após denúncia de espionagem

Jornal australiano afirma que embaixada do país da Oceania em Pequim é usada como QG de espiões americanos

Por Da Redação - 31 out 2013, 08h35

A China cobrou explicações dos Estados Unidos após reportagem de um jornal australiano afirmar que embaixadas da Austrália, incluindo a localizada em Pequim, são usadas ​​como parte de uma operação de espionagem liderada pelos EUA. Citando documentos vazados pelo ex-analista Edward Snowden, o jornal The Sydney Morning Herald disse nesta quinta-feira que a coleta de informações ocorre em embaixadas australianas na Ásia, bem como em outras missões diplomáticas, sem o conhecimento da maioria dos diplomatas australianos.

Falando sob condição de anonimato, um funcionário do órgão de Inteligência e Defesa australiana disse que Snowden tinha “amplo acesso aos detalhes da inteligência e comunicações de cooperações entre os EUA e a Austrália”. Para o funcionário, “a divulgação de operações altamente sensíveis irá danificar capacidades de inteligência da Austrália. Há também o risco de complicações graves em nossas relações com os nossos vizinhos”, disse.

“A China está extremamente preocupada com este relato e exige que os Estados Unidos ofereçam um esclarecimento e uma explicação”, disse Hua Chunying, porta-voz da chancelaria chinesa, em entrevista coletiva. “Também exigimos que as embaixadas estrangeiras na China e suas equipes respeitem a Convenção de Viena e outros tratados internacionais e não se envolvam em quaisquer atividades que não estejam de acordo com o seu estatuto prejudicando a segurança e os interesses da China”, acrescentou.

Leia também

Publicidade

NSA nega ter espionado papa e o Vaticano

NSA nega invasão ilegal em tráfego do Google e Yahoo

Internet – Nesta quarta-feira, o diretor da Agência de Segurança Nacional americana (NSA, na sigla em inglês), general Keith Alexander, contestou a alegação feita pelo jornal The Washington Post afirmando que a agência acessa ilegalmente os servidores do Google e Yahoo no exterior. De acordo com a reportagem, a NSA vasculhou diretamente os canais de comunicação usados pelas redes dos gigantes da internet para copiar e transferir enormes volumes de e-mails e outras informações entre centros de dados fora dos EUA.

“A NSA não invade nenhuma base de dados. Seria ilegal fazer isso. Posso afirmar que não temos acesso aos servidores do Google e Yahoo. Só fazemos por meio de ordem judicial”, disse Alexander em um evento sobre cibersegurança na capital Washington.

Publicidade

Vaticano – Também nesta quarta-feira, a NSA negou que tenha espionado o Vaticano e as chamadas telefônicas feitas pelo papa Francisco na época em que ele era cardeal. A denúncia foi publicada na revista italiana Panorama, que afirma ter feito a descoberta com base em documentos vazados pelo ex-analista Snowden. “A NSA não espionou o Vaticano. Alegações de que a agência fez isso publicadas pela revista italiana Panorama não são verdadeiras”, disse a porta-voz da NSA, Vanee Vines.

(Com agência Reuters)

Publicidade