Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Um título ao gosto do corintiano – e que veio na hora certa

Ganhar com o timaço de Rincón e Marcelinho não teria a menor graça. Com os estrangeiros da MSI, pior ainda. Foi melhor assim: com garra, união e vibração

Por Da Redação 4 jul 2012, 23h58

As características do time campeão da América lembram as de outras duas equipes históricas do Corinthians: as de 1977 e 1990

A conquista da Libertadores era uma obsessão do corintiano até a noite desta quarta-feira, quando a taça inédita finalmente foi conquistada. Antes do jogo decisivo contra o Boca Juniors, qualquer torcedor diria que foi um sofrimento esperar tanto tempo pelo título continental. Passada a agonia da final, porém, é hora de repensar essa avaliação. Porque a Libertadores veio na hora certa. As chances desperdiçadas no passado provocaram amargas decepções entre os torcedores. Mas foi muito melhor vencer com uma equipe que representa bem a tradição do clube, que joga do jeito que o corintiano gosta, que atrai uma identificação imediata com as arquibancadas.

Leia também:

Leia também: No Corinthians campeão, nenhum astro, muitos guerreiros

Antes da campanha vitoriosa deste ano, as melhores participações do Corinthians em Libertadores tinham sido as que terminaram nas fatídicas eliminações contra o rival Palmeiras. A geração de Rincón, Marcelinho, Ricardinho e Edílson praticava um futebol bonito e criativo – e nem sempre fiel às origens do fanatismo pelo Corinthians, já que a torcida do clube cresceu para valer nos tempos de vacas magras e times sem estrelas. Pior ainda teria sido a conquista inédita com os dólares de origem duvidosa dos tempos da parceria com a MSI de Kia Joorabchian. O time tinha Tevez, Mascherano, Nilmar… E nenhuma identificação com a história de humildade e garra da agremiação.

Leia também:

Leia também: Tite, o ex-retranqueiro – e um ídolo improvável da torcida

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)