Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Emerson rejeita status de herói no Corinthians

Por Da Redação
5 jul 2012, 11h07

Por AE

São Paulo – O atacante Emerson foi o principal nome da conquista do título da Libertadores pelo Corinthians ao marcar os dois gols da vitória sobre o Boca Juniors, quarta-feira, no Estádio do Pacaembu, mas tratou de rejeitar o status de herói. O jogador dividiu os méritos pela sua participação decisiva no triunfo por 2 a 0 e em outras partidas com o restante do elenco do time do Parque São Jorge.

“Eu vou pedir para não me terem como herói. É um pedido. O time todo está de parabéns pelo que fez desde o início da competição, pela entrega. Todos estamos conscientes da conquista de hoje. Sozinho, eu jamais faria. Tive passe do Paulinho contra o Santos. A bola não chegou voando. É bom lembrar dele. Teve o desvio do Danilo no primeiro gol, teve a pressão do Alex no zagueiro, que errou a jogada no segundo”, comentou.

Antes de brilhar na finalíssima da Libertadores, Emerson já havia se destacado em outras partidas pelo Corinthians. O atacante deu o passe para o gol de Romarinho no primeiro jogo da decisão, contra o Boca Juniors, que terminou empatado por 1 a 1. Além disso, fez o gol da vitória por 1 a 0 sobre o Santos, na Vila Belmiro, pelas semifinais do torneio continental.

Continua após a publicidade

“Aqui, a gente não conquista nada sozinho. Alguns meses atrás o Duilio [Monteiro Alves, diretor adjunto de futebol] e o Roberto [de Andrade, diretor de futebol] disse que no Corinthians ninguém joga com nome. E isso se encaixa muito no Emerson. Nunca joguei por nome, mas por merecimento. Nesse tempo que estou aqui, sou titular por trabalho”, disse.

Apesar do discurso comedido de Emerson, os jogadores do Corinthians trataram de exaltar o atacante, como fez Romarinho. “Eu fiz minha parte, dei minha contribuição, mas o time que ganhou isso. Entrei na hora certa e pude ajudar. Mas o cara é o Sheik!”, comentou.

O técnico Tite também reconheceu a importância de Emerson para a conquista corintiana, mas, mesmo em tom de brincadeira, deu um “puxão de orelhas” no jogador por supostos atrasos. “O Emerson é o jogador da jogada individual, do lance terminal, que ajuda, como o Danilo, na jogada aérea, mas preciso puxar a orelha, ele precisa chegar no horário”, disse.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.