Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O prazer como profissão

Em textos que misturam atendimento ao consumidor, literatura erótica e uma pitada de autoajuda, Mariana Blac transformou-se na primeira testadora de produtos eróticos do Brasil

Por Branca Nunes
Atualizado em 10 dez 2018, 10h30 - Publicado em 12 jun 2013, 19h00

Com 1,57 metro de altura, 60 quilos, 27 anos, óculos de aros grossos e jeito de melhor aluna da classe, Mariana Blac poderia ser confundida com uma professora de escola primária. Mas ela vive uma rotina, digamos, bem mais prazerosa: é testadora de produtos eróticos.

Nascida em São Paulo, formada em jornalismo pela Universidade Federal de Juiz de Fora e pós-graduada pela Cásper Líbero, Mariana começou a exercer o ofício pouco tradicional ao vencer 7 mil candidatos que pleiteavam a vaga. Depois de contato telefônico do dono do portal Sexônico, uma conversa ao vivo e um texto escrito sobre um assunto ligado à nova profissão, ela foi contratada.

A carreira deu tão certo que Mariana abandonou o emprego numa agência de publicidade e agora não só escreve sobre seus produtos como coordena uma equipe de aprendizes. O portal passou a convidar os leitores a publicar suas próprias resenhas sob a supervisão de Mariana. O melhor do mês ganha 500 reais que devem ser obrigatoriamente investidos em produtos eróticos. O objetivo do Sexônico é ter em sua equipe fixa um casal, uma mulher com mais de 50 anos e um homem e uma mulher homossexuais. Mariana é a solteira da turma.

Continua após a publicidade

“A principal função dos produtos erótico é permitir que a pessoa se conheça melhor”, ensina Mariana. “A partir disso, ela terá mais confiança quando estiver com um parceiro e saberá conduzi-lo da melhor forma para conseguir prazer”.

Os adeptos da brincadeira são cada vez mais numerosos. Segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual (Abeme), o setor cresceu 15% em 2012. Em junho, graças ao dia dos namorados, as vendas dos produtos atingem o clímax. “Em alguns estados o crescimento chega a 40%”, conta Paula Aguiar, presidente da Abeme. “A média no país fica em torno de 30%”. As mulheres representam mais de 60% dos consumidores tanto das sex shops tradicionais quanto das sexshops online.

Amparada na mistura de atendimento ao consumidor, literatura erótica e uma pitada de autoajuda, Mariana já testou 17 produtos. Fala do trabalho com a naturalidade possível, mas sabe que muitos brasileiros encaram com espanto uma carreira tão ousada. Por isso, ela adotou o pseudônimo Mariana Blac. “Um amigo disse que eu tinha cara de Mariana e eu me identifiquei”, explica. O Blac era para ser Black (negro, em inglês), mas por alguma razão misteriosa o facebook impediu a incorporação do “K”. “Achei que Black soava chique”, brinca. “Remete a cartão de crédito”.

Continua após a publicidade

Quando não está encarnando a Mariana Blac, ela evita detalhar suas atividades. “Respondo apenas que sou jornalista”, diz. Segundo Mariana, os homens costumam intimidar-se com a carreira que ela escolheu. “Eles pensam que eu sou uma sumidade na cama”, diverte-se. “Mas em geral não sofro preconceitos. Algo tão natural quanto o sexo não pode envolver tantos tabus”.

Casados há 30 anos, seus pais ficaram sobressaltados com a opção feita pela filha. O susto passou. A perplexidade familiar certamente seria maior se fosse viva a parente mais famosa. A avó materna de Mariana é prima de Lúcia de Jesus dos Santos, a irmã Lúcia, uma das três crianças que viram Nossa Senhora na Cova da Iria, em Fátima, em 1917. Mariana declara-se agnóstica, mas reconhece que de vez em quando volta a ser assombrada pelo que chama de “culpa católica”.

Mariana garante que por enquanto está na profissão que pediu a Deus. Para o futuro, entretanto, os planos são um pouco mais ortodoxos. “Quero casar e ter três filhos”, revela. Aqueles óculos de aros grossos podem estar escondendo uma alma bem mais comportada.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.