Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Léos Carax apresenta seu ‘Holy Motors’ em Cannes

Por Por Anne CHAON
23 Maio 2012, 14h37

Léos Carax ressurge no comando de seu filme “Holy Motors” nesta quarta-feira em Cannes, atrás de seus óculos escuros e com seus 11 personagens encarnados por Denis Lavant, seu ator infalível.

Sonho ou pesadelo profundo de um homem moribundo, o terceiro filme francês na disputa pela Palma de Ouro faz o seu ator passear por diferentes peles, de grande chefe, de assassino, mendigo, monstro e pai de família.

Nesta jornada noite adentro, conduzida por Celine (Edith Scob) a bordo de uma limusine branca que funciona como um camarim para se trocar, Oscar cruza com Eva Mendes, com a cantora pop australiana Kylie Minogue, com cães e macacos.

Adorado ou odiado, Carax será para sempre – o maior desespero de sua produtora, Martine Marignac – o homem de “Amants du Pont-Neuf”, filme cult e fracasso comercial que o levou ao fundo do poço aos 30 anos.

Hoje, aos 51, mantém os fãs, os teimosos, que gritaram boas-vindas ao retorno do messias. E outros, desconfiados e preocupados em encontrar mais uma fraude.

Continua após a publicidade

A audácia formal do filme é contrabalançada pelas andanças do cenário particular que leva o intérprete aos esgotos e para um cemitério, onde cada lápide tem como epitáfio: “Visite meu site”.

“Em busca da beleza do movimento. Do motor da ação. Mulheres e fantasmas de sua vida”, resume o comunicado à imprensa.

“Todos os personagens foram difíceis de encontrar, mas o que mais temíamos era o pai com sua filha e o velho morrendo… eu decidi confiar na história e no olho atrás da câmera”, resumiu Denis Lavant.

“Leio uma cena, acho que entendo, mas Léos me leva para outro lugar, para mais humanidade e para encontrar o meu personagem no momento em que me aproximo da dança, da linguagem corporal”, revelou o ator, que segue Carax há 30 anos.

Continua após a publicidade

Léos Carax explica que teve o primeiro estalo para esta história ao cruzar todos os dias com uma velha mendiga, a quem ele nunca dirigiu a palavra, a primeira aparição de Oscar transformado: “Eu imaginei que poderia ser ela, minha alma foi levada por meu motorista para que me transformasse nela em um banheiro de um café”.

O título, “Holy Motors”, vem de sua paixão por motores, máquina que ganha voz ao final do filme, iniciando um diálogo entre as limusines.

O cineasta não se importa em ser entendido ou ouvido: “Eu não sei o que é o público, pessoas que vão estar mortas em breve… eu faço filmes particulares”, disse durante a coletiva de imprensa.

Léos Carax, que diz que “aprendeu a fazer filmes por ir ao cinema” embalou o seu “Holy Motors” com referências para os fãs de cinema e também presta homenagem para as câmeras de antes, quando se dizia “Câmera, Ação!”.

Continua após a publicidade

“Hoje em dia nós dizemos ‘power’, porque não há mais força nas câmeras. Mas é um falso poder”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.