Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Asteroide que matou dinossauros fez superfície agir como líquido

Novo estudo publicado na 'Science' descreve os efeitos do impacto que atingiu o planeta há 65 milhões de anos

Por Da redação Atualizado em 25 nov 2016, 20h20 - Publicado em 25 nov 2016, 20h02

Há 65 milhões de anos, um imenso asteroide atingiu a Terra, causando a extinção dos dinossauros e de 75% de toda a vida no planeta. Um novo estudo, publicado na última semana na revista Science reconstrói o impacto e revela que ele foi tão violento que chacoalhou a crosta da Terra por alguns momentos, fazendo-a agir como um fluido. Uma montanha mais alta que o Everest (que tem quase 9.000 metros) foi formada nos primeiros momentos e se lançou em direção à crosta, produzindo uma série de picos. Segundo os cientistas, tudo isso aconteceu em cerca de cinco minutos.

Para chegar à descrição precisa do evento, a equipe liderada por cientistas do Imperial College of London, na Inglaterra, analisou rochas da cratera de Chicxulub, no México, reconhecida como uma das remanescentes do impacto.

Segundo os pesquisadores, as rochas da superfície da Terra sob o impacto se comportaram da mesma forma que um lago atingido por uma pedra. De acordo com o estudo, nos primeiros três minutos, uma porção de montanhas, mais altas que os Himalaias, foram formadas em volta de um vazio de 25 quilômetros de profundidade e 70 quilômetros de largura – os picos subiam e mergulhavam em direção à superfície. No quarto minuto, o maior pico se formou e foi jogado na crosta terrestre. Nos minutos finais, entre o fim do quinto minuto até o décimo, a superfície foi chacoalhada e o movimento sísmico deixou uma grande cratera na superfície. A zona do impacto se estendeu para toda a crosta terrestre, fazendo as rochas “fluírem” e “mudando o mundo para sempre” afirmou Penny Barton, pesquisador do departamento de ciências da Terra da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, em um comentário que acompanha o estudo. Os pesquisadores ressaltam que, apesar de a Terra agir como um fluido e se movimentar como um líquido, ela permaneceu sólida.

Primeiras formas de vida

O estudo também confirma um modelo para a formação de crateras e explica como as rochas do planeta se tornaram porosas e menos densas – um ambiente favorável à circulação de água e nutrientes do interior da Terra que podem ter ajudado no surgimento das primeiras formas de vida do planeta, formado há 4,5 bilhões de anos. Acredita-se que, em sua origem, a Terra foi bombardeada por asteroides, que podem ter ajudado os primeiros organismos terrestres a aparecer.

“É difícil acreditar que as mesmas formas que destruíram os dinossauros podem ter também tido um papel importante, muito mais cedo na história da Terra, em  fornecer os primeiros refúgios para a vida primitiva no planeta”, afirmou Joanna Morgan, pesquisadora do Departamento de Ciências da Terra do Imperial College London.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)