Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Dilma viaja a NY para dizer-se ‘vítima de golpe’ na ONU

Em estratégia que constrangerá o Brasil diante de líderes mundiais, presidente aproveitará discurso sobre acordo climático para propalar fala petista

Por Da Redação
21 abr 2016, 09h44

A presidente Dilma Rousseff embarcou nesta quinta-feira rumo a Nova York, onde participará de uma reunião da Organização das Nações Unidas (ONU). A petista deve aproveitar seu discurso de 5 minutos na sexta-feira, por ocasião da cerimônia de assinatura do Acordo de Paris sobre Mudança do Clima, para constranger internacionalmente o Brasil, apregoando a líderes mundiais que o processo constitucional de impeachment aceito contra ela no domingo pela Câmara dos Deputados representa um ‘golpe’. Dilma tem repetido o batido discurso de seu partido em entrevistas a correspondentes estrangeiros – sempre omitindo o fato de o processo estar transcorrendo sob chancela do Supremo Tribunal Federal.

Com a admissibilidade do impeachment dada como certa no Senado, Dilma foi orientada a falar em Nova York porque, segundo interlocutores do Planalto, não ‘teria alternativa’. O governo busca, com isso, criar pressão internacional contra a deposição da petista. Até agora, contudo, o único apoio que Dilma recebeu foi de figuras como Nicolás Maduro, da Venezuela, e do ditador cubano Raúl Castro. “Ela não poderá deixar de manifestar sua indignação com o golpe que se está se construindo no Brasil; que o processo em curso é artificial e falso, porque Dilma é uma mulher honesta que não cometeu nenhum crime, e o que está havendo no país é o mau uso do impeachment”, disse o ministro-chefe do Gabinete da Presidência, Jaques Wagner, sobre o discurso de Dilma na ONU.

A estratégia foi criticada na quarta-feira pelo decano do STF, ministro Celso de Mello. “Ainda que a presidente veja a partir de uma perspectiva pessoal a existência de um golpe, na verdade há um gravíssimo equívoco, porque o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal já deixaram muito claro o procedimento de apurar a responsabilidade política da presidente”, disse o ministro. Segundo o magistrado, o processo de impedimento está respeitando, até o presente momento, todo o itinerário estabelecido na Constituição e tem transcorrido em um clima de “absoluta normalidade jurídica”.

Se de fato Dilma der curso à estratégia, ficará difícil justificar aos colegas chefes de Estado por que viajou ao exterior justamente nesse momento, deixando o vice-presidente, que acusa de golpista, no comando do país até o final de semana. Como definiu na quarta-feira o ex-ministro de Lula e senador Cristovam Buarque (PPS-DF): “O pessoal vai rir da cara dela, porque quem está ameaçado por um golpe fica no país, não vai para o exterior, a não ser em caso de exílio, depois do golpe”.

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.