Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Micale vê Brasil pronto: ‘Não temos nada a ver com o 7 x 1’

Treinador diz que seleção olímpica quer "escrever sua própria história" diante da Alemanha, na decisão deste sábado, no Maracanã

Por da redação 19 ago 2016, 12h52

As comparações são inevitáveis, mas a seleção brasileira olímpica faz de tudo para desassociar a final deste sábado, diante da Alemanha, do trauma causado pelo 7 a 1. O técnico Rogério Micale afirmou na noite desta quinta-feira que o time está preparado para a decisão no Maracanã e nem pensa na semifinal da Copa do Mundo de 2014.

“Não temos nada a ver com o 7 a 1. Esta é a seleção olímpica. Isto foi na Copa do Mundo. Não tem comparação. São competições, partidas e até idades diferentes. Não vejo como relacionar”, afirmou o treinador baiano, no Maracanã.

Leia também:
Seleção rejeita vingança contra a Argentina na final
Recados a Argentina e Alemanha: o deboche da torcida no Maracanã

Renato Augusto, o capitão sem faixa

“Estamos muito fortes emocionalmente para este sábado. Já passamos por tudo. Tivemos dúvidas, mas agora vivemos um novo momento. Enfrentaremos uma equipe muito boa, que remete a uma história com a qual não temos nada a ver. Vamos viver a nossa própria história.” O único atleta que estava no Mineirão no 7 a 1 é o zagueiro Mathias Ginter, que foi reserva durante toda a campanha do tetracampeonato mundial dos germânicos.

Brasil e Alemanha disputarão uma final inédita em Jogos Olímpicos e jamais conquistaram a medalha de ouro (a Alemanha Oriental levou o ouro em Montreal-1976, antes da unificação). Micale diz ter estudado profundamente a filosofia de jogo do adversário.  “Conhecemos o modelo de jogo deles, que é o mesmo em todas as categorias, da base à equipe principal”.

Para Micale, qualquer que seja o resultado, a Rio-2016 poderá representar uma base para o trabalho de Tite na seleção adulta. “Não podemos pensar nessa juventude só para a medalha de ouro. É o futuro da seleção brasileira. Eles vão adquirir mais rodagem e chegar preparados.”

Continua após a publicidade
Publicidade