Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Um governo que já era ruim ficará pior

Mais uma proeza de Bolsonaro

Por Ricardo Noblat Atualizado em 30 mar 2021, 09h14 - Publicado em 30 mar 2021, 09h00

Comemora-se no Itamaraty a saída do embaixador Ernesto Araújo e a nomeação para seu lugar do embaixador Carlos Alberto França, chefe do cerimonial do Palácio do Planalto. Araújo e França têm em comum a falta de maior experiência como diplomata. Nunca comandaram uma embaixada, só têm o título.

Mas França, pelo menos, se dá bem com seus colegas, é considerado por eles um homem educado e bastante reservado. É remota a possibilidade de que sua promoção indique mudanças sensíveis na política externa do país. Quem a define é o presidente Jair Bolsonaro e seu filho Eduardo, o Zero Três, deputado federal.

O novo ministro da Justiça, o delegado da Polícia Federal Anderson Torres, é amigo do senador Flávio Bolsonaro, o Zero Um, e próximo do pai dele desde que foi assessor parlamentar de um deputado na Câmara. Pai e filho poderão contar com Torres para ajudá-los a enfrentar dificuldades com a polícia e a justiça.

A deputada Flávia Arruda, ministra da Secretaria do Governo, é ligada a Arthur Lira, presidente da Câmara, mas não foi escolha dele para o cargo. Muito menos do Centrão que preferia outros nomes. Flávia pesará nada ou quase nada dentro do governo. Não tem estatura para isso. Seu papel será de leva e traz.

É tal a mediocridade da equipe de Bolsonaro que o mais destacado dos seus quadros políticos continuará sendo o deputado Onyx Lorenzoni, ministro da Secretaria-Geral da presidência da República, que já foi chefe da Casa Civil e ministro da Cidadania. Lorenzoni é candidato ao governo do Rio Grande do Sul.

O comentário zombeteiro que correu ontem em Brasília à medida em que um ministro caía e outro trocava de cadeira foi feito em tom de pergunta: não seria o caso de Paulo Guedes finalmente assumir o Ministério da Economia?

Leia também:

  • Bolsonaro escolhe novo chefe do Itamaraty e anuncia outros nomes.
  • Pujol reúne alto comando do Exército para tratar de possível saída.
  • Demissão de Azevedo abre intervenção política de Bolsonaro na área militar.
  • ‘Bolsonaro pediu o cargo’, diz aliado de Fernando Azevedo.
Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)