Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Demissão de Azevedo abre intervenção política de Bolsonaro na área militar

A demissão de Azevedo deixa completamente exposto o comandante do Exército, Edson Pujol, que pode deixar o cargo

Por Robson Bonin Atualizado em 30 mar 2021, 12h57 - Publicado em 29 mar 2021, 17h25

É bem mais feia a história em torno da demissão do ministro da Defesa Fernando Azevedo. Aliados do general relataram ao Radar que Azevedo foi ao Planalto já sentindo que o seu relacionamento com Jair Bolsonaro estava chegando ao fim.

O motivo do desgaste, nas palavras de uma graduada fonte militar, seria a condução do ministério por Azevedo, mantendo a caserna distante do assédio político de Bolsonaro.

A nota escrita pelo próprio Azevedo deixa clara a determinação dele de barrar o aparelhamento das forças pelo bolsonarismo quando o ministro registra que, “nesse período, preservei as Forças Armadas como instituições de Estado”.

A demissão de Azevedo deixa completamente exposto o comandante do Exército, Edson Pujol.

Leia também:

  • Bolsonaro escolhe novo chefe do Itamaraty e anuncia outros nomes.
  • Demissão de Azevedo abre intervenção política de Bolsonaro na área militar.
  • ‘Bolsonaro pediu o cargo’, diz aliado de Fernando Azevedo.
  • Escolha de diplomata de carreira como chanceler traz alívio ao Itamaraty.

 

Continua após a publicidade

Publicidade