Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Marcos Valério vai a Sergio Moro

Operador do mensalão e réu na Operação Lava Jato, publicitário vai a Curitiba em setembro para depor ao juiz federal

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 18 ago 2016, 16h50 - Publicado em 18 ago 2016, 15h28

O publicitário Marcos Valério Fernandes de Souza, principal operador do mensalão e réu na Operação Lava Jato, tem data marcada para ficar frente a frente com o juiz federal Sergio Moro.  Atendendo a um pedido do magistrado, o juiz Wagner de Oliveira Cavalieri, responsável pela execução da pena de 37 anos de prisão que Marcos Valério cumpre em Contagem (MG), autorizou ontem a ida do publicitário a Curitiba no dia 12 de setembro. O publicitário falará a Moro no processo em que é réu por participar da lavagem de dinheiro do empréstimo fraudulento do Banco Schahin ao PT.

Revelações do operador do mensalão ajudaram os investigadores da Lava Jato a deflagrar a 27ª fase da Lava Jato, batizada de Carbono 14, em abril. As investigações concluíram que, em troca do empréstimo de 12 milhões de reais do banco ao PT, a empreiteira do grupo Schahin foi agraciada com um contrato de 1,6 bilhão de reais para operar um navio-sonda da Petrobras, o Vitória 10.000.

Metade do empréstimo, 6 milhões de reais, segundo Valério revelou ao Ministério Público Federal (MPF) em 2012, foi destinada a comprar o silêncio do empresário Ronan Maria Pinto, preso na Carbono 14 e também réu na Lava Jato. O motivo do pagamento seria a chantagem de Pinto contra o ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira, os ex-ministros José Dirceu e Gilberto Carvalho, o jornalista Breno Altman e até o ex-presidente Lula por saber detalhes do caso da morte do ex-prefeito de Santo André (SP) Celso Daniel.

LEIA TAMBÉM:
“Malabarismo financeiro” viabilizou pagamento de propina a empresário ligado a caso Celso Daniel

Para camuflar o pagamento, rastreado pela Operação Lava Jato, foram elaborados contratos fraudulentos de empréstimo. Segundo o Ministério Público, o empresário José Carlos Bumlai intermediou o repasse do dinheiro do Banco Schahin à Bertin Ltda e à Remar Agenciamento, que teriam atuado para despistar o real destino dos 6 milhões de reais. A empresa 2 S Participações, controlada por Marcos Valério, também participou do processo de lavagem.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.