Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A relação do novo chefe do Itamaraty com a China

O santo do embaixador chinês Yang Wanming bateu com o do novo chanceler brasileiro, Carlos Alberto França

Por Robson Bonin Atualizado em 19 abr 2021, 10h38 - Publicado em 18 abr 2021, 16h36

Se o ambiente melhorou com os Estados Unidos na esteira dessa discussão da Cúpula do Clima de Joe Biden, o mesmo pode-se dizer em relação à China no Itamaraty.

Com a saída do chanceler-blogueiro Ernesto Araújo, espécie de papagaio de pirata de Jair Bolsonaro em churrascos de embaixadores de Brasília, o caminho ficou aberto para uma nova fase nas relações do governo com os chineses.

O santo do embaixador chinês Yang Wanming bateu com o do novo chanceler brasileiro, Carlos Alberto França.

Leia também:

  • Governo estuda comprar vacinas do Uruguai e Chile. 
  • Com mais doses da Fiocruz e insumo para o Butantan, vacinas devem avançar.
  • Os países que conseguiram reduzir a curva de mortes pelo covid nos últimos 3 meses. 
  • Covid-19: cresce em 27% o número de vacinas em fase final de estudos.
  • 894 milhões de doses de vacinas para Covid-19 já foram administradas.
  • Mubadala muda foco para investir em tecnologia e se aproximar da China.
  • Credor quer interromper pagamento de indenizações a delatores da Odebrecht.
Continua após a publicidade
Publicidade