Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

71,3 milhões de doses de vacinas para Covid-19 já foram administradas

O número se refere ao que foi aplicado em 57 países; no Brasil, 870.260 pessoas já foram imunizadas

Por Da Redação Atualizado em 27 jan 2021, 07h27 - Publicado em 2 jan 2021, 14h21

Mais de 71,3 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 já foram administradas em pessoas de 57 países, segundo um levantamento realizado pela Bloomberg. O desafio é ampliar para a casa dos bilhões, já que, para a imunização, algumas vacinas requerem a aplicação de mais de uma dose. No Brasil, o número de vacinados é de 870.260.

A imunização nos Estados Unidos começou em 14 de dezembro com profissionais de saúde, e até agora foram aplicadas 23,46 milhões de doses – também se destacam no mapa a China, com mais 15 milhões de unidades, e Israel, com 4,04 milhões. Os EUA apostam nos antígenos da Pfizer/BioNTech e da Moderna e o objetivo é alcançar 20 milhões de doses ainda em janeiro. Ambas as vacinas requerem duas aplicações com intervalo de semanas e ao menos 3,68 milhões de pessoas já tomaram as duas doses necessárias.

  • Autorizadas para o uso nos Estados Unidos, Europa e Oriente Médio, as vacinas da Pfizer-BioNTech e a da Moderna conseguiram reduzir as infecções por coronavírus em 95% em testes de dezenas de milhares de voluntários.

    Um fármaco da AstraZeneca e da Universidade de Oxford recebeu sua primeira grande autorização, pelo Reino Unido, em 30 de dezembro. A China também liberou a vacina CoronaVac para uso geral, com o objetivo de atingir 50 milhões de pessoas lá até o início de fevereiro. No Brasil, ambos os imunizantes foram autorizados pela Anvisa para uso emergencial. A primeira dose no país foi aplicada em São Paulo em 17 de janeiro. Outros 17 estados começaram a imunização com a CoronaVac ainda na segunda-feira, 18, e o restante na terça-feira 19. No sábado, 23 de janeiro, o Brasil iniciou a vacinação com a vacina de Oxford. Ao todo, 870.260 pessoas receberam a primeira dose até o momento, de acordo com levantamento de VEJA.

    China e Rússia autorizaram seus próprios antígenos em julho e agosto, antes de serem totalmente testados. Desde então, os países administraram milhões de doses, embora forneçam atualizações menos frequentes sobre seu progresso.

    Continua após a publicidade
    Publicidade