Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mais de 11,5 bilhões de doses de vacinas da Covid-19 foram aplicadas

O número se refere ao que foi aplicado em cerca de 184 países; no Brasil, 381.833.641 doses já foram aplicadas

Por Da Redação
Atualizado em 23 abr 2022, 18h31 - Publicado em 2 jan 2021, 14h21

Mais de 11,5 bilhões de doses de vacinas contra a Covid-19 já foram administradas em pessoas de pelo menos 184 países, segundo um levantamento realizado pela Bloomberg. O desafio é ampliar ainda mais rapidamente, já que, para a imunização, algumas vacinas requerem a aplicação de mais de uma dose. No Brasil, o número de unidades aplicadas é de 426.574.607.

Leia mais em: https://veja.abril.com.br/saude/covid-19-mais-de-846-milhoes-de-brasileiros-ja-tomaram-dose-de-reforco/

.

A China é o país com mais doses aplicadas. Até o momento, são 3,32 bilhões de vacinas administradas no gigante asiático – ao todo, 88,2% da população do país está imunizada com duas doses. No fim de junho de 2021, a Índia assumiu a segunda colocação no ranking de unidades totais aplicadas. Atualmente, o número é de 1,87 bilhão de doses, o equivalente a 62,8% dos habitantes protegidos.

Já nos Estados Unidos, a vacinação começou em 14 de dezembro de 2020 e até agora foram aplicadas 571,7 milhões de doses. Isso foi suficiente para imunizar com duas injeções 65,4% dos norte-americanos.

Continua após a publicidade

Também se destacam no mapa os Emirados Árabes Unidos (104% dos habitantes vacinados), Portugal, com 91,3%, a  Coreia do Sul, com 86%, Espanha, que aplicou duas doses (ou a dose única) em 85,6% dos adultos, a França, que já inoculou 80,6% das pessoas, a Itália, que tem 80,3% da população totalmente protegida, a Bélgica (79,3%) e o Reino Unido (74%), primeiro país do Ocidente a vacinar.

Na América Latina, o Chile é a nação melhor colocada em relação à proporção de doses de vacina aplicadas e sua população, com 89,6% dos chilenos totalmente protegidos com as duas injeções. Na sequência aparece Cuba, com 87,7%, a Argentina, com 81,9%, o Uruguai, com 81% e o Equador, com 79,1,6% da população imunizada.

Vacina da Covid

Os EUA apostam nos antígenos da Pfizer/BioNTech e da Moderna. Ambas as vacinas requerem duas aplicações com intervalo de semanas. Posteriormente, o país autorizou o uso da vacina da Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson — o antígeno promove a imunização em dose única.

Autorizadas para o uso nos Estados Unidos, Europa e Oriente Médio, as vacinas da Pfizer-BioNTech e a da Moderna conseguiram reduzir as infecções por coronavírus em 95% em testes de dezenas de milhares de voluntários.

Imunização

Um fármaco da AstraZeneca e da Universidade de Oxford recebeu sua primeira grande autorização, pelo Reino Unido, em 30 de dezembro. A China também liberou a vacina CoronaVac para uso geral.

No Brasil, ambos os imunizantes foram autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso emergencial. A primeira dose no país foi aplicada em São Paulo em 17 de janeiro. Outros 17 estados começaram a imunização com a CoronaVac em 18 de janeiro e os demais, no dia 19 daquele mês. Em 23 de janeiro, o Brasil iniciou a vacinação com a vacina de Oxford, que exatamente um mês depois teve o registro definitivo aprovado pela Anvisa. Em abril, o país passou a utilizar também o fármaco da Pfizer, e, no fim de junho, o da Janssen.

China e Rússia autorizaram seus próprios antígenos em julho e agosto, antes de serem totalmente testados. Desde então, os países administraram milhões de doses, embora forneçam atualizações menos frequentes sobre seu progresso.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.