Blogs e Colunistas

01/05/2012

às 12:00 \ Música no Blog

Dia Internacional do Jazz, Parte 2 – o “Trio Parada Dura” do gênero: Louis Armstrong, Duke Ellington e Billie Holiday

Duke-Louis

Duke Ellington e Louis Armstrong em Nova York, em 1969 (Foto: AP Images)

Por Daniel Setti

Ainda em celebração ao primeiro Dia Internacional do Jazz, data festiva criada pela Unesco celebrada ontem (segunda-feira), pegamos carona novamente na fantástica série documental Jazz, de Ken Burns, mencionada no post anterior, para recuperar o que o diretor considera, muito sabiamente, o “Trio Parada Dura” do gênero. Em outras palavras, os três músicos que melhor personificam o jazz, cada qual à sua maneira:

Louis Armstrong (1901 – 1971, nascido em New Orleans, Louisiana): o homem que elevou o improviso instrumental – o trompete, no caso – a arte, estabelecendo um padrão de qualidade que persiste até hoje. De quebra, ainda foi um dos maiores, mais singulares e influentes cantores do século 20. Abaixo, Satchmo, como era apelidado, canta e toca “Dinah”, de Harry Akst, Joe Young e Sam M. Lewis, em Copenhagen, Dinamarca, em 1933.

Duke Ellington (1899 – 1974, nascido em Washington, D.C.): o compositor mais importante, a ponto de outro monstro, Miles Davis (1926-1991), ter dito que “uma vez por ano os músicos deveriam parar de tocar e agradecer a Duke Ellington”. Também bandleader e pianista de primeira, manteve-se nada menos que 50 anos à frente de sua orquestra e deixou uma discografia que tende ao infinito. Aqui, o “Duque” mostra um dos clássicos de sua autoria, “Sophisticated Lady” (com Irving Mills), em apresentação dos anos 1960 também na capital dinamarquesa. Solo de sax barítono por Harry Carney (1910-1974).

Billie

Billie Holiday (Foto: William Gottlieb)

Billie Holiday (1917-1959, nascida em Filadélfia, Pensilvânia): o que seria do jazz, e da música em geral, sem a voz feminina? Difícil imaginar. Billie era a cantora perfeita, com seu timbre inimitável, precisão sem exageros e capacidade ilimitada para emocionar com sua interpretação. Ainda por cima compunha. O vídeo abaixo, de 1952, no qual a Lady Day interpreta “God Bless the Child”, da qual é uma das autoras (com Arthur Herzog Jr.) e “Now Baby or Never”, também sua, que o diga. Acompanha a diva ninguém menos que Count Basie (1904-1984) e orquestra.

(Mais sobre música neste link)

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

4 Comentários

  • funkystreet

    -

    23/5/2012 às 19:39

    Impressionante não fica velho.Billie Holiday elegantíssima,a banda com azes como Count Basie mostrando um senso de contenção absurdo.Sessenta anos depois ainda ecoa em nossas mentes a voz inconfundível da diva.

  • Cabral

    -

    6/5/2012 às 20:48

    O instrumento tocado por Harry Carney não é um sax barítono, mas um clarone.

  • Angelo

    -

    2/5/2012 às 18:16

    Senhores,Caro Sr.Setti,esses foram os anos dourados
    do jazz com esses monstros sagrados de seu tempo.
    O tempo passa, mas,as lembranças ficam.

  • Marco

    -

    1/5/2012 às 13:37

    Amigo Setti: Daniel, L. Armstrong. Personifica o meu melhor estilo de jazz, ou seja a passo rápido!
    Abs.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados