Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Steve Jobs, o designer de sonhos

Perfeccionista, o executivo da Apple sempre se preocupou em adicionar, em altas dosagens, duas qualidades a seus produtos: beleza e funcionalidade

Por Sérgio Miranda
5 out 2011, 20h50

Steve Jobs disse certa vez que o design de um produto não se restringe a sua aparência. “Design é como ele funciona.” Nada mais verdadeiro para este perfeccionista inventivo. Convicto de que seu senso estético se destacava da maioria, Jobs era a pessoa que indicava os rumos que os projetos da Apple deveriam tomar. Mesmo não sendo engenheiro ou designer, a palavra final era dele. E, geralmente, ele estava certo.

Isso vale para o iPod, por exemplo. Durante todo o processo, Jobs esteve presente no desenvolvimento do tocador de MP3, apontando erros e caminhos para o sucesso. O design não ficou restrito ao formato do reprodutor de música, basicamente uma caixa para colocar todos os componentes. O principal diferencial do iPod estava na interface, ou seja, no comando que permite ao usuário gerenciar as funções do aparelho. A Click Wheel (idéia de Phil Schiller) e a interface criada pela equipe comandada por Jeff Robin foram essenciais para o sucesso do aparelho. O visual externo, cortesia da mente criativa de Jonathan Ive, fez o resto.

Jobs acreditava que o design precisa conter um significado, além, é claro, de ser belo. Usar alumínio nos computadores fez das máquinas da Apple itens mais elegantes – e também mais leves e ecologicamente corretos. Isso era bom design para Jobs. E se for necessário investir meses de trabalho para alcançar tal objetivo, isso será feito. O menor detalhe é muito importante.

Um exemplo do perfeccionismo de Jobs foi relatado por Leander Kahney no livro A Cabeça de Steve Jobs. Ele conta que, antes do lançamento dos novos iMacs coloridos, em 1999, o executivo fez questão de comandar pessoalmente o ajuste da iluminação que incidiria sobre os protótipos na bancada de apresentação à imprensa. Foram diversas tentativas até que o resultado agradasse o executivo. Parece uma preocupação trivial, mas quem esteve lá garante que o publico ficou embasbacado com o efeito obtido. Atenção especial às pequenas coisas fez da Apple a Apple.

Continua após a publicidade

Houve, é claro, momentos em que o design superior não surtiu o efeito desejado. O PowerMac G4 Cube, um lindo cubo de acrílico que nem de longe se assemelhava a um computador, foi festejado pelos críticos. Lançado em 2000, ganhou lugar no MoMA, o Museu de Arte Moderna de Nova York, e muitos prêmios de design em todo o mundo. Mas foi um fracasso de vendas. Um ano depois, foi descontinuado. Era muito caro, quando comparado a outros computadores da marca, além de ter recebido críticas devido a seu processo de manufatura, que imprimia ao chassi ranhuras que pareciam rachaduras. Apesar da insistência de Jobs com o produto, fazendo pequenos reparos, como colocar um drive para gravar CDs, as vendas continuaram baixas.

O processo de criação dentro da Apple é similar ao de muitas empresas: tentativa e erro. Nenhum protótipo criado, seja de hardware ou software, é imediatamente adotado. Ele serve apenas de inspiração para um longo trabalho de aperfeiçoamento. Para fazer a barra de rolagem da primeira versão do Mac OS X, por exemplo, foram necessários seis meses de estudos e desenhos, até que finalmente o então CEO estivesse satisfeito com o resultado. Nunca eram aceitas menos de cem versões de um item, o que permite analisar detalhes e escolher a melhor opção.

Apesar de seu senso apurado, Jobs sabia que era preciso ouvir outras opiniões. Por isso, costumava andar pela sede da Apple com uma prancha colorida, sobre a qual carregava desenhos de produtos que eram exibidos ao pessoal de sua inteira confiança. A partir das impressões dos interlocutores, dava seu veredicto. A escolha de nomes de produtos, como iPod, que ele rejeitou num primeiro momento, não era feita no calor do momento. Tudo acontecia de maneira fluida, mas sob controle do mestre. E tudo era feito em segredo, com diversas equipes trabalhando em partes de um mesmo projeto, mas sem conhecer o todo. Isso tudo porque a surpresa, para Jobs, também fazia parte do design.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.