Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Ministério da Saúde incorpora primeiro remédio para casos leves de Covid

Medicamento Paxlovid, da Pfizer, será indicado para adultos imunocomprometidos ou com mais de 65 anos

Por Paula Felix 9 Maio 2022, 12h19

O Ministério da Saúde incorporou o primeiro medicamento para casos leves a moderados de Covid-19 no Sistema Único de Saúde (SUS). O antiviral oral Paxlovid, da farmacêutica Pfizer, será indicado para adultos imunocomprometidos ou idosos com mais de 65 anos para evitar o avanço da doença, segundo a pasta.

A recomendação foi dada pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) na última quinta-feira, 5, e publicada no Diário Oficial da União (DOU) no dia seguinte. De acordo com a comissão, o objetivo da indicação é prevenir internações, complicações e óbitos por Covid-19, pois o medicamento tem potencial para reduzir a evolução da doença para quadros graves.

O tratamento será indicado apenas para pacientes com teste positivo e em um prazo de até cinco dias após o início dos sintomas. O Ministério da Saúde terá um prazo de 180 dias após a publicação para ofertar a medicação na rede pública.

O medicamento Paxlovid recebeu autorização de uso emergencial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no dia 30 de março e, por orientação da agência, não deve ser usado por mais de cinco dias e não é indicado para pacientes com insuficiência renal grave ou falha renal.

Estudos realizados pela Pfizer apontaram que o remédio é capaz de reduzir os riscos de internação e morte em 89%. Pesquisas indicaram que o antiviral também é eficaz para a variante de preocupação ômicron. Os ensaios clínicos com o Paxlovid contou com participantes da Europa, África, Ásia e das Américas Norte e Sul, inclusive o Brasil, onde 29 centros de pesquisa participaram de um pacote de estudos com o antiviral.

Continua após a publicidade

No fim de janeiro, a Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos, autorizou o uso emergencial da pílula. Alguns dias depois, o Reino Unido adotou a medicação.

No início de março, a Pfizer anunciou que iniciou um estudo de fase 2/3 com 140 crianças e adolescentes de 6 a 17 anos para verificar a segurança e eficácia do medicamento. Os testes serão realizados com pacientes pediátricos com risco de evoluir para episódios graves da doença. Atualmente, nos países que autorizaram o uso, o remédio é administrado em pacientes com mais de 12 anos que pesam, ao menos, 40 kg. A farmacêutica trabalha ainda em uma formulação para três grupos adicionais com menos de 6 anos.

Para casos graves

No início de abril, o ministério incorporou o baricitine, da farmacêutica Eli Lilly, para casos graves da doença. Este foi o primeiro medicamento a receber liberação para uso no SUS.

O remédio, também de uso oral, é indicado para adultos hospitalizados que precisam de oxigênio por máscara ou cateter nasal e casos de necessidade de alto fluxo de oxigênio ou ventilação não invasiva. Em estudos, a medicação se mostrou capaz de reduzir a mortalidade de pacientes hospitalizados em 38%.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês