Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ministério da Saúde aprova 1º remédio para tratamento da Covid-19 no SUS

Baricitinibe já tem registro no Brasil e é usado para casos moderados e graves de artrite reumatoide e dermatite atópica

Por André Sollitto Atualizado em 1 abr 2022, 13h09 - Publicado em 1 abr 2022, 12h18

O Ministério da Saúde aprovou nesta sexta-feira, 1º, a incorporação do primeiro medicamento para o tratamento da Covid-19 no Sistema Único de Saúde (SUS). O baricitinibe será disponibilizado para tratamento de pacientes adultos. A decisão foi publicada por meio da Portaria nº 34/2022 assinada pela Secretaria de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE) no Diário Oficial da União.

O remédio, de uso oral, é indicado para adultos hospitalizados que precisam de oxigênio por máscara ou cateter nasal e casos de necessidade de alto fluxo de oxigênio ou ventilação não invasiva. Estudos com 2,5 mil participantes, duplo-cegos, randomizados e controlados por placebo, apontaram que o baricitinibe demonstrou potencial para reduzir a mortalidade no 28° dia do tratamento em 38%.

O tratamento consiste em um comprimido por dia durante 14 dias ou até o paciente receber alta. As pesquisas incluíram participantes de países como Estados Unidos, México, Argentina, Reino Unido, Itália, Japão e Brasil.

O baricitinibe atua sobre o sistema imune, auxiliando no processo de recuperação de quadros inflamatórios, diminuindo a ação da interleucina-6 (IL-6), substância ligada à ocorrência de reações inflamatórias geradas por diversas doenças e que se apresenta em níveis elevados nos casos mais graves.

O medicamento já tem registro no Brasil desde 2018 para tratamento de casos moderados e graves de artrite reumatoide. Em 2020, foi incorporado ao SUS. Desde 2021, é usado também para tratar dermatite atópica.

Na quarta-feira, a farmacêutica Eli Lilly anunciou que seu medicamento Olumiant (baricitinibe) havia sido aprovado pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), ligada ao Ministério da Saúde. Sem informar prazos, a empresa afirmou que o tratamento estará disponível gratuitamente no mercado público “em breve”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)