Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

China anuncia que vai zerar emissões líquidas de CO2 até 2060

O país, responsável por 27% das emissões globais, poderia contribuir para uma queda de até 0,3ºC do aquecimento até 2100, mas meta pode não ser realista

Por Da Redação
Atualizado em 4 jun 2024, 15h15 - Publicado em 24 set 2020, 17h38

Em um anúncio surpresa em sessão da Assembleia-Geral das Nações Unidas, nesta terça-feira, 22, o presidente da China, Xi Jinping disse que o país, um dos maiores emissores de carbono do mundo, vai zerar as emissões líquidas de CO2 até 2060.

Em 2015, a China foi um dos 195 países a assinaram o acordo de Paris, comprometendo-se a apresentar novos planos para reduzir suas emissões até o final deste ano. Patricia Espinosa, autoridade de mudanças climáticas das Nações Unidas, disse no dia 2 de setembro que cerca de 80 países cumpriram o prazo, mas o futuro do gigante asiático ainda era incerto.

Segundo a revista americana The Economist, a China pode ter decidido divulgar o plano para melhorar sua imagem. Contudo, as metas podem não ser realistas. Enquanto seu objetivo de impedir o aumento da produção de CO2 até 2030 não é nada assombroso, já que especialistas projetam desde 2014 que as emissões poderiam atingir o pico em 2025, visar a neutralidade do carbono até 2060 é outra questão.

No ano passado, líderes europeus estabeleceram uma meta para a “neutralidade climática” até 2050. Os Estados Unidos mantiveram silêncio sobre o assunto. Já Xi, em seu discurso nas Nações Unidas, escolheu suas palavras com cuidado, referindo-se à neutralidade do carbono, não do clima. Ou seja, a meta se aplica apenas às emissões de dióxido de carbono, não outros gases causadores do efeito estufa, como o metano.

Continua após a publicidade

Pensando positivamente, o compromisso da China pode modificar as previsões anteriores do aquecimento global até 2100, já que é fonte de 27% das emissões globais de CO2. O grupo de pesquisa Climate Action Tracker calcula que, se todos os governos cumprissem às promessas do acordo de Paris, o planeta aqueceria, em média, 2,7ºC até 2100 em comparação com as temperaturas pré-industriais. O anúncio de Xi pode levar o número a 2,4ºC.

Ainda é um aquecimento maior que o estabelecido no acordo de Paris, mas a China não está agindo sozinha. Todos os olhos estão agora nos eleitores americanos: se o democrata Joe Biden vencer a eleição presidencial americana, em 3 de novembro, os três principais emissores do mundo – China, Estados Unidos e União Europeia, que respondem por cerca de 45% das emissões globais – poderiam colocar o limite de aquecimento acordado em Paris “firmemente ao alcance”, segundo o Climate Action Tracker.

As emissões de CO2 americanas atingiram o pico entre 2005 e 2007 e caíram cerca de 14% na década seguinte. As da União Europeia atingiram o pico em 1990 e, desde então, diminuíram 21% (o objetivo é chegar aos 45% até 2030). Enquanto isso, a China está sugerindo que atingirá os mesmos objetivos em apenas 30 anos, sem especificar seu plano.

O país também não disse se sua nova meta se refere apenas às emissões domésticas ou se inclui investimentos em carvão fora das fronteiras.

Continua após a publicidade

Alcançar o objetivo em 2060 exigirá uma completa descarbonização da eletricidade da China, onde mais de 60% da energia ainda vem da queima de carvão. Mesmo assim, o país continua construindo usinas termelétricas a carvão: nos primeiros seis meses de 2020, construiu mais de 60% das novas instalações do mundo – infraestruturas planejadas para permanecer utilizáveis por décadas.

Por outro lado, o gigante asiático já é afetado pelo aquecimento global com enchentes e secas. Além disso, pode implementar mudanças de maneiras mais incisivas por conta de seu sistema de governo, já que medidas impopulares, como a produção de energia nuclear, não terão forte oposição pública – sua capacidade de geração nuclear mais que dobrou entre 2014 e 2019.

Mesmo assim, é improvável que a China consiga atingir sua meta sem investir na captura de CO2, armazenando-o no subsolo, diz a Economist. Cortar emissões dos setores industriais e de transportes pesados ​​também é um desafio, sem tecnologias disponíveis. O plantio de novas florestas pode ajudar a absorver o carbono, mas precisaria ser em uma escala colossal. Mais grave, contudo, é a própria falta de planejamento de Xi.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.