Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Aquarius’ e ‘Chatô’ estão na disputa pela indicação ao Oscar

No total, dezesseis longas passam pela avaliação da comissão formada pelo MinC para tentar uma vaga na categoria de filme estrangeiro da cerimônia

O Ministério da Cultura divulgou nesta segunda-feira o nome dos filmes que vão disputar uma indicação nacional ao Oscar. No total, dezesseis longas serão avaliados por uma comissão especial. O número é quase o dobro do ano anterior, quando nove títulos pleitearam a chance de concorrer à categoria de melhor filme estrangeiro na premiação. O longa escolhido será anunciado no dia 12 de setembro para, depois, ser submetido ao crivo da Academia de Hollywood, que pode ou não nomeá-lo para a cerimônia de 2017.

Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, está entre os inscritos. Considerado um dos candidatos mais fortes, a produção, que concorreu à Palma de Ouro no Festival de Cannes, levou cineastas a desistirem da corrida pela indicação. A atitude foi tomada com o intuito de dar mais verniz ao longa pernambucano, estrelado por Sônia Braga.

Outro nome que chama a atenção na lista é Chatô – O Rei do Brasil, de Guilherme Fontes. O filme que demorou quase 20 anos para ficar pronto surpreendeu, de forma positiva, a crítica e o público quando foi lançado, em novembro de 2015.

LEIA TAMBÉM:
Sonia Braga em ‘Aquarius’: ‘Piano foi mais difícil que sexo’
Governo recua e reduz classificação de ‘Aquarius’ para 16 anos

Os outros longas que disputam a vaga são: A Despedida, de Marcelo Galvão; Mais Forte que o Mundo, de Afonso Poyart; O Outro Lado do Paraíso, de André Ristum; Pequeno Segredo, de David Schurmann; Uma Loucura de Mulher, de Marcus Ligocki Júnior; Nise – O Coração da Loucura, de Roberto Berliner; Vidas Partidas, de Marcos Schechtman; O Começo da Vida, de Estela Renner; Menino 23: Infâncias Perdidas no Brasil, de José Belisario Cabo Penna Franca; Tudo que Aprendemos Juntos, de Sérgio Machado; Campo Grande, de Sandra Kogut; A Bruta Flor do Querer, de Andradina Azevedo e Dida Andrade; Até que a Casa Caia, de Mauro Giuntini; e O Roubo da Taça, de Caito Ortiz.

As produções obedecem regras da Academia de Hollywood, como duração e data de lançamento no Brasil e nos Estados Unidos, por exemplo, e foram inscritos por suas equipes no MinC até o último dia 31 de agosto.

A comissão que vai analisar os longas é formada por Adriana Scorzelli Rattes; Luiz Alberto Rodrigues; George Torquato Firmeza; Marcos Petrucelli; Paulo de Tarso Basto Menelau; Silvia Maria Sachs Rabello;  Sylvia Regina Bahiense Naves; Carla Camurati e Bruno Barreto.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Décio Luiz Bozza

    Espero que o selecionado seja Chatô que realmente é um filme diferente e o Fontes merece esse reconhecimento após a luta de tantos anos. Já o filmeco Aquarius que nunca vou ver vai ser um rotundo fracasso depois da palhaçada que fizeram em Cannes.

    Curtir