Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A difícil busca por nomes qualificados para o Ministério da Saúde

Em reunião com prefeitos, Queiroga disse que busca profissionais para preencher vagas na pasta, inclusive no comando da secretaria de combate à Covid-19

Por Juliana Castro Atualizado em 31 mar 2021, 10h37 - Publicado em 30 mar 2021, 20h57

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, está em busca de nomes da iniciativa privada para alguns postos na pasta. Acontece que, em uma conversa com alguns prefeitos na última segunda-feira, 29, ele próprio falou da dificuldade que é trazer nomes altamente qualificados de fora do serviço público. Os salários, embora sejam altos para o padrão geral da população, não são lá muito vantajosos para quem pertence à nata da área na iniciativa privada.

Entre os postos para os quais Queiroga busca um nome está o comando da secretaria estratégica de combate à Covid-19 que o ministro avisou aos prefeitos que iria criar. Queiroga avalia que, com a pandemia, o cuidado com outras doenças foi mitigado e, por isso, a ideia de criar uma secretaria apenas para lidar com o caos provocado pelo novo coronavírus e continuar dando a atenção devida às demais doenças.

A reunião contou com a presença do prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), que comandará o maior consórcio do Brasil para a compra de vacinas; com Bruno Cunha Lima (PSD), prefeito de Campina Grande, que tem certa proximidade com o ministro por ambos serem da Paraíba; com o atual presidente da Frente Nacional dos Prefeitos, Jonas Donizette (PSB); e com o futuro presidente da FNP, Edvaldo Nogueira (PDT), prefeito de Aracaju.

À VEJA, Donizette avaliou o troca-troca no Ministério da Defesa e no comando das Forças Armadas em pleno ápice da pandemia. “O que tem a ver mexer nas Forças Armadas agora? Soa como distração”, afirmou.

Donizette disse ainda que, quanto mais passa o tempo, mais difícil é nomes tarimbados toparem participar da gestão do presidente Jair Bolsonaro: “Não vejo como uma pessoa com reputação aceitar entrar no governo Bolsonaro. Poderia ter sido montado um time bom, mas o tempo agora para isso é mais escasso, se é que já não acabou”.

Leia também:

  • Covid-19: vacina da Pfizer é eficaz em adolescentes, mostra estudo.
  • Estopim da crise entre Senado e Araújo, Huawei perde espaço nas Américas.
  • Sob pressão, Ministério antecipa a vacinação de policiais e bombeiros.
  • Ministro diz que vai fazer Ferrogrão de um jeito ou de outro.
  • Ministério da Saúde inclui vacinação do covid nas pessoas com HIV em grupo prioritário.
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)