Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Só em março, Bolsonaro utilizou três vezes a expressão ‘meu Exército’

Presidente se referiu dessa forma a uma das Forças Armadas em duas conversas com simpatizantes em frente ao Alvorada e durante uma live nas redes sociais

Por Da Redação 30 mar 2021, 14h24

Somente neste mês de março, o Jair Bolsonaro falou em “meu Exército” três vezes durante algum tipo de pronunciamento público — duas vezes em conversas com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada e uma vez durante uma transmissão nas redes sociais. O presidente, que é o comandante constitucional das Forças Armadas, vive um momento de estranhamento com a cúpula dessas instituições.

Na segunda-feira, 29, ele demitiu o ministro da defesa, general Fernando Azevedo e Silva, que resistiu em aceitar algumas posições do presidente, que muitas vezes tentou envolver os militares com interesses políticos ou ideológicos do governo. Como reação à demissão, os comandantes das Forças Armadas pediram demissão nessa terça-feira, 30: o  general Edson Leal Pujol (Exército), o tenente-brigadeiro-do-ar Antonio Carlos Moretti Bermudez (Aeronáutica) e o almirante Ilques Barbosa Júnior (Marinha).

“O meu Exército, que tenho falado o tempo todo, é o povo. Sempre digo que eu devo lealdade absoluta ao povo brasileiro, e esse povo está em toda sociedade, inclusive no Exército fardado”

A primeira utilização da expressão “meu Exército” ocorreu no dia 8 de março em conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada. Bolsonaro, em mais uma de suas frequentes críticas às políticas de isolamento social, deixou claro que as Forças Armadas não fariam o que fazem as forças de segurança estaduais para garantir as restrições de circulação e o fechamento das atividades comerciais. “Podem ter certeza de uma coisa: o meu Exército não vai para a rua para obrigar o povo a ficar em casa”, afirmou.

Já no dia 11, durante a sua tradicional live semanal às quintas-feiras nas redes sociais, o presidente explicou o motivo de usar a expressão. “O meu Exército, que tenho falado o tempo todo, é o povo. Sempre digo que eu devo lealdade absoluta ao povo brasileiro, e esse povo está em toda sociedade, inclusive no Exército fardado”.

Em uma nova conversa com simpatizantes em frente ao Alvorada, no dia 19, Bolsonaro voltou a afirmar que o Exército executaria as suas determinações. “O meu Exército não vai para a rua cumprir decretos de governadores, não vai. Se o povo começar a sair, entrar na desobediência civil, sair de casa, não adianta pedir ao meu Exército, que o meu Exército não vai nem por ordem do Papa. Não vai”, enfatizou.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)